Artigo

Artigo

A força do povo

As audiências públicas revelaram, na manifestação maciça de seus participantes, que a comunidade quer a implantação dos projetos de silvicultura no Estado. Neste movimento, a Força Sindical teve papel fundamental.

Ao longo do primeiro semestre, o Rio Grande do Sul discutiu o zoneamento ambiental da silvicultura, onde parcela da comunidade defendeu a proposta da Fundação Estadual de Proteção Ambiental, enquanto outra apostou no desenvolvimento do Estado, com a conseqüente geração de emprego e renda. Ainda que o debate tenha se estabelecido de forma passional por muitos, quando o discurso ambiental escondia o ideológico, a realização de audiências públicas para discutir o zoneamento mostrou-se um eficaz instrumento de participação da comunidade. Com as reuniões, a sociedade cumpriu seu papel de agente fiscalizador e, principalmente, decidiu sobre o destino que será dado à sua região. Esta relação consolida a cidadania, que tem seus direitos assegurados e não é apenas expectador das deliberações governamentais.

As audiências públicas revelaram, na manifestação maciça de seus participantes, que a comunidade quer a implantação dos projetos de silvicultura no Estado. Neste movimento, a Força Sindical teve papel fundamental. Foram 233 depoimentos favoráveis ao florestamento e apenas 21 contrários. Assim, está posto um desafio: possibilitar o desenvolvimento, sem prejudicar o meio ambiente. Não somos contra a existência de um zoneamento. Ao contrário, reconhecemos a importância do instrumento, pois ele certifica as empresas frente ao mercado internacional e delimita as áreas passíveis de plantio. Entretanto, posicionamo-nos contrários ao documento proposto pela Fepam, que, além de excessivamente restritivo, apresenta fragilidades legais e técnicas. Além de contrariar os Códigos Florestais brasileiro e estadual, a Política Nacional de Meio Ambiente, as leis federais que instituíram o Código Civil brasileiro e o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, o documento afronta o decreto federal 4.297/02, que estabelece o Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) do Brasil. Defendemos que o ZEE deva preceder qualquer outro zoneamento específico. Aliás, no Rio Grande do Sul não há estudos contra impactos de outras monoculturas e este que está sob análise desconsidera aspectos sociais e econômicos da atividade, além dos preceitos básicos do desenvolvimento sustentável.

Estamos falando da inviabilização da produção por parte de pequenos e médios produtores e dos milhares de empregos diretos e indiretos que estão na berlinda. São investimentos de mais de US$ 4 bilhões, que talvez não se concretizem e, sobretudo, estamos tratando da vida dos gaúchos, que não está ameaçada por nenhum "deserto verde". Felizmente, as audiências provaram que a sociedade foi refratária a alguns discursos, cujas argumentações não se sustentam cientificamente. Assim, confortou-me perceber a participação decisiva da comunidade, capitaneada pela Força Sindical, e saber da intenção da Fepam em rever sua proposta, para que tenhamos um documento mais realista e condizente com as necessidades do Rio Grande do Sul nos aspectos econômicos e no cuidado com o meio ambiente.

Berfran Rosado
Deputado Estadual/PPS
Coordenador da Frente Parlamentar Pró-Florestamento

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br