Artigo

Intercâmbio sindical

A luta do trabalhadores no Brasil e na China

Neco

Transformação social deve acompanhar evolução econômica

O crescimento econômico só é válido quando, além do desenvolvimento, ele é capaz de produzir justiça social. Certamente esse é o desafio da Federação de Sindicatos da China, organismo fundado em 1925 e ligado ao Secretariado do Comitê Central do Partido Comunista da China (CCCPC), cuja atuação nas diferentes regiões e indústrias. Como organização não-governamental e focada na salvaguarda dos direitos humanos na China, a entidade realiza ativamente suas funções de consciência proteger os direitos econômicos, democrática e cultural e os interesses dos trabalhadores.

Antes das reformas econômicas, a China ocupava o número 175 de 188 países. Atualmente a classificação do país está no número 129 de 209 países. De acordo com estatísticas oficiais, os pobres representam 10% da população total. Destes 5.968 milhões são da população rural; 4.616 milhões da população urbana e 2.5 milhões de trabalhadores imigrantes.

Num contexto de crise mundial em que o crescimento continuado de China e Índia ajuda a sustentar o equilíbrio mundial, se projeta a importância da Federação no sentido de garantir que o governo chinês reconheça e retifique as convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT), como signatária que é da Declaração Universal dos Direitos Humanos (UDHR) e membro fundador das Nações Unidas, da qual a OIT é um organismo militante.

Que também na China o poder do associativismo possa influir na feitura de acordos entre nações e empresas, para que a bilateralidade tenha como marca o respeito aos tratados e normas internacionais, nos quais a proteção ao trabalho e a vigência da tese do Trabalho Decente sejam imperativos.

Ao sindicalismo mundial – e brasileiro, por extensão – cabe promover a aproximação com a Federação de Sindicatos da China para o campo progressista, justamente para que a evolução econômica desse gigante asiático seja pontuada por avanços sociais e, particularmente, trabalhistas. Os trabalhadores chineses não podem ser culpados pelo deslocamento de indústrias de outros continentes para o maior mercado consumidor do mundo, inclusive do Brasil, de onde evadiram empresas de calçados, por exemplo.

Em todo o planeta, a classe trabalhadora é uma só; aqui e na China.

Nilton Neco é secretário nacional de Relações Internacionais da Força Sindical

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br