Artigo

Sindimoto

Aos trabalhadores Motofretistas do Rio Grande do Sul e do Brasil

Opinião do Presidente do Sindimoto RS

Julho é o mês do motociclista; dia 27 de julho é o dia em que se marca no calendário como o dia do motociclista. A história deste dia não vem de uma data festiva e nem de uma comemoração de um direito adquirido ou mesmo pela invenção da motocicleta; esta data é a homenagem a um mecânico da HONDA, apaixonado por motocicletas que nessa data faleceu.

Julho foi o mês em que foi sancionada a Lei 12.009, no ano de 2009; que regulamentou a atividade de motofrete e mototáxi, e dispôs ainda de regramento específico como equipamentos de segurança e curso obrigatório; que ainda em 2017 não se veem respeitados pelos órgãos de fiscalização e municípios.

Agora JULHO segue montando a história na vida dos motofretistas, prestadores de serviços e demais trabalhadores desse país: mês em que foi aprovada pelo Senado e sancionada pelo presidente da República a REFORMA TRABALHISTA. Reforma essa que transfere o custo da crise política e econômica para as costas dos trabalhadores. Que nos coloca em situação de vulnerabilidade diante dos empregadores – porque nenhuma negociação entre CAPITAL e FORÇA de TRABALHO é igualitária.

O GOVERNO, a IMPRENSA, e os EMPRESÁRIOS estão alardeando aos quatro cantos que essa reforma é um avanço nas relações de trabalho; se existe um avanço nisso tudo é um avanço na direção da superjornada de trabalho, que expõe o trabalhador a fadiga, cansaço e aumenta o risco de acidente de trabalho na mesma proporção em que nos retira os momentos de convívio familiar, lazer, estudo e aprimoramento profissional.

Mas alertamos aos trabalhadores e empregadores que a reforma aprovada e sancionada não altera a CONSTITUIÇÃO FEDERAL, que em seu Art. 7º dispõe sobre o reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho (XXVI); e ainda assegura a igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo empregatício permanente e o trabalhador avulso (XXXIV).

A atuação dos sindicatos nas negociações futuras e a legitimidade para interpor ação judicial em caso de abusos é amparada pela C.F/88 no seu Art. 8º; que destaca que ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas (III); e que é obrigatória a participação dos sindicatos nas negociações coletivas de trabalho (IV). De forma que toda e qualquer alteração de contrato, negociação coletiva ou mudanças nas relações de trabalho deverão ser submetidas ao sindicato, antes de terem vigência entre as partes.

A regulamentação dessa reforma ainda será complementada através de MP – Medida Provisória, e essas mudanças entram em vigor daqui a quatro meses; período em que nosso departamento jurídico soma-se a outros órgãos na luta por comprovar a inconstitucionalidade dessa reforma e assim assegurar aos nossos representados e demais trabalhadores brasileiros as condições dignas de trabalho que merecemos.

Em caso de dúvida entre em contato conosco, pelo telefone 51.33220909 (Porto Alegre) ou 51.34767449 (Canoas) e nos informe qualquer discrepância.

Valter Ferreira da Silva

Presidente do SINDIMOTO/RS

Primeiro Secretário FETRAMOTO

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br