Artigo

Imposto sindical

Artigo - UM DIA que garante conquistas

Carteira de Trabalho, Jornada de Trabalho, Direito à Aposentadoria, Férias, 13º Salário, Licença-Maternidade e dezenas de outros direitos econômicos e sociais dos trabalhadores são fruto da luta cotidiana dos Sindicatos.

 

Em meados dos anos noventa, a mobilização nacional do Movimento Sindical impediu que um projeto de extinção da Contribuição Sindical fosse aprovado no Senado Federal. Após uma histórica Audiência Pública, onde apenas a Central Única dos Trabalhadores (CUT) defendeu o fim da Contribuição Sindical, os senadores sepultaram a iniciativa, pondo fim à tentativa neoliberal de fragilizar as entidades sindicais. Nos anos seguintes, novas investidas foram realizadas, novamente por meio da ação parlamentar de políticos sob orientação da mesma Central, também sem alcançar nenhum sucesso.

Mais do que apenas reagir às teses neoliberais em alta naquele momento, as entidades sindicais reafirmaram a importância histórica da Contribuição Sindical para a vida dos trabalhadores. Carteira de Trabalho, Jornada de Trabalho, Direito à Aposentadoria, Férias, 13º Salário, Licença-Maternidade e dezenas de outros direitos econômicos e sociais dos trabalhadores são fruto da luta cotidiana dos Sindicatos. Ao contrário dos impostos em geral, que são muitos, altos e com retorno duvidoso, a Contribuição Sindical corresponde apenas a um dia de trabalho, mas que garante toda uma vida para os trabalhadores e suas famílias.

No entanto, passados cerca de 15 anos, enquanto a crise nos países da Europa evidencia a total falência das teses neoliberais, aqui no Brasil a CUT não se dá por vencida. Derrotada naquela tentativa inicial, em pleno Governo FHC, a Central agora “governista” tenta trazer de novo o tema do “sindicato mínimo” à pauta política do país, por meio de um duvidoso plebiscito. Cada vez mais afastada das principais lutas nacionais e, em consequência, das massas trabalhadoras, a atual direção da Central Única dos Trabalhadores apela para uma tardia e superada demagogia neoliberal, sem eco sequer nas suas bases.

Os Sindicatos, Federações, Confederações e, principalmente, as Centrais Sindicais, foram decisivas para impedir que o Brasil sucumbisse ao neoliberalismo e, no Governo Lula, para vencer a crise mundial, com propostas como a redução dos juros e a valorização do Salário Mínimo. Portanto, neste momento em que o Brasil emergente supera diferenças históricas unindo trabalhadores e empresários contra a “desindustrialização”, é inaceitável qualquer tentativa de golpe contra a organização dos trabalhadores. A defesa da indústria nacional e do emprego, a superação do colonialismo e a construção de um país “potência” necessitam de entidades sindicais fortes, estruturadas, com poder de mobilização, como temos provado nas manifestações realizadas.

* Cláudio Janta é presidente da Força Sindical – RS.

 

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br