Artigo

Opinião

As penas de uma história escandalosa

Sobre os trabalhadores recai, mais uma vez, a pior punição em decorrência dos desacertos da nossa história de escândalos

Escândalos não são novidade no Brasil. Pelo contrário – ainda que não carreguem nobreza digna da lembrança, fazem parte da nossa história desde o descobrimento, narrados em registros que remontam do império, República e ditaduras. Nos tempos atuais, apesar da espetacularização que eleva o escândalo ao status de reality, onde delações são ansiosamente aguardadas e seus desdobramentos acompanhados em tempo real, fica evidente que não evoluímos, apenas foram atualizadas as práticas que seguem penalizando os mesmos neste nosso meio milênio de história: o povo.

Pensemos nos índios e negros, agredidos pela nossa história. Até hoje, o Brasil é incapaz de reparar o prejuízo social e cultural revertido numa dívida para com gerações. Na modernidade de contextos atualizados e lógicas repetidas, ao atacar direitos dos trabalhadores a cada capítulo inglório dos nossos escândalos atuais, a Pátria se mantém de olhos fechados às consequências de resolver a vida de poucos às penas da exploração de muitos.

Sem rebobinar demais a fita, vale a reflexão sobre os casos mais recentes, a começar pelo esquema deflagrado entre Carlos Cachoeira e José Dirceu, que extorquiram milhões de bicheiros, bingos e loterias. O caso foi resolvido pelo governo, não com a repressão às práticas e esquemas de corrupção, mas com a proibição dos jogos, inviabilizando um setor inteiro e desempregando mais de 320 mil trabalhadores.

Outras ilicitudes milionárias vieram à tona com o mensalão. Corruptos e corruptores seguiram a vida, enquanto os fundos de pensão e os Correios foram depredados. Na Lava-Jato, empresários passaram à condição de delatores de uma teia de atividades ilegais envolvendo contratos e favores às custas de mais prejuízos ao erário público. Na base da pirâmide, mais milhares de trabalhadores acabaram demitidos, enquanto uns seguem soltos, na salvaguarda do foro privilegiado e outros presos, porém, devolvendo migalhas.

E os empregos? Não poderiam os trabalhadores – engenheiros, arquitetos, administradores, pedreiros, maquineiros, soldadores, todos eles! – seguir contribuindo com o país no exercício do seu ofício, tirando do papel as rodovias, portos, plataformas ou hidrelétricas e não apenas pagando religiosamente os seus impostos?

Sobre os trabalhadores recai, mais uma vez, a pior punição em decorrência dos desacertos da nossa história de escândalos. Não pagamos com cadeia, prisão domiciliar ou especial. Não temos foro privilegiado, nem privilégios de qualquer sorte. Pagamos com o próprio emprego, com nossos direitos sendo postos à bancarrota e com a dignidade, atacada dia após dia, até que o povo deixe de ser invisível à cegueira - que deveria ser meramente simbólica - da Justiça.

Clàudio Janta

Presidente Licenciado da Força Sindical-RS

Vereador de Porto Alegre

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br