Artigo

Opinião Econômica

Brasil Maior

Nas faixas das centrais, a maioria dos protestos era contra a importação desenfreada e a armadilha da desindustrialização.

*Benjamin Steinbruch


Steinbruch é diretor-presidente da CSN e primeiro vice-presidente da FiespEntre 7 mil e 30 mil metalúrgicos, dependendo da fonte responsável pela estimativa, fecharam a pista local da Rodovia Anchieta na sexta-feira, dia 8, no ABC paulista. Quem olhasse de longe certamente imaginaria que aquela fosse uma passeata de trabalhadores para reivindicar aumentos de salários.

Não era, diria um observador pouco atento, ao se aproximar da passeata. Nas faixas que os manifestantes carregavam, produzidas pelos sindicatos dos metalúrgicos do ABC e de Mogi das Cruzes, um da CUT e outro da Força Sindical, a maioria dos protestos era contra a importação desenfreada e a armadilha da desindustrialização.

Na fala das lideranças, apareceram frases sobre o risco da crescente valorização do real em relação ao dólar, a elevada carga tributária e a deficiência da infraestrutura, fatores que corroem a competitividade da indústria brasileira. Um discurso aparentemente muito mais frequente entre os empresários.

O observador mais atento, porém, veria não haver nenhuma incoerência no discurso dos metalúrgicos. No fundo, ao protestar contra a valorização do real, os impostos elevados e a falta de infraestrutura, eles estavam brigando mais uma vez por empregos e salários. E tocando no ponto mais sensível do atual momento da economia brasileira.

Nessa briga, como em muitas outras, trabalhadores e empresários estão no mesmo lado. É a briga pela indústria brasileira, que vem sendo fortemente golpeada pela concorrência estrangeira. Em quatro anos, a indústria de transformação, que tinha elevado superávit nas suas transações com o exterior, tornou-se altamente deficitária.

O resultado do primeiro semestre é assustador: déficit de US$ 21 bilhões. No primeiro semestre de 2007, houve um superávit de US$ 11,5 bilhões.

O déficit é maior em segmentos de média e alta tecnologia, mas até setores tradicionalmente superavitários, como os de têxteis e calçados, já apresentaram resultados negativos no primeiro semestre. No setor de veículos, 1 em cada 3 unidades vendidas é fabricada no exterior. Neste ano, a importação de automóveis deverá atingir 1 milhão de unidades, um recorde histórico.

Esse cenário não pode ser considerado normal. A indústria perde força, e a balança comercial brasileira vem sendo sustentada pelas exportações de produtos primários, que felizmente estão com preços elevados no mercado internacional. Os próprios investimentos estrangeiros diretos na indústria começam a minguar. Nos primeiros cinco meses do ano, caíram 17% em relação ao mesmo período do ano passado.

Os investidores externos procuram colocar mais capital em agricultura, serviços e indústria extrativa mineral, numa demonstração de que não acreditam na performance da indústria de transformação.

Mais do que nunca, quando 60% a 70% do PIB mundial se encaminha para a estagnação, com graves problemas na Europa, no Japão e nos EUA, exige-se extremo cuidado com a preservação do mercado interno brasileiro e estímulo ao desenvolvimento de setores estratégicos da velha e da nova economia.

Na nova situam-se tecnologia da informação, bioenergia, energias renováveis e inovação em saúde. Na velha, entre os setores em que o país pode ser competitivo estão mineração, celulose, alumínio, siderurgia, têxtil, calçados e agrobusiness.

Essas áreas precisam urgentemente de programas específicos de apoio e proteção, com desonerações, desburocratizações e incentivos. Não há porque ter vergonha de preservar e cultivar a empresa brasileira. A afirmação nacional, nessa matéria, não significa voltar as costas para o mercado internacional, mas dar atenção aos setores tradicionalmente competitivos e aos setores inovadores.

Passou da hora de o governo criar medidas para melhorar a competitividade da indústria. Felizmente, pelo que se noticia, um conjunto de medidas nesse sentido deve ser anunciado em breve, com desoneração da folha de salários, revisão de regimes tributários, privilégio a empresas nacionais em compras governamentais e outros estímulos.

Um dos nomes aventados para o pacote de medidas é Brasil Maior. Um bom nome, que evoca a afirmação nacional, pela qual devem brigar trabalhadores, empresários e a sociedade em geral.

*Diretor-presidente da CSN, presidente do conselho de administração da empresa e primeiro-vice-presidente da Fiesp

Fonte: Folhapress/Divulgação/JC

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br