Artigo

Artigo

Brasil: saudável na economia, mas precário na saúde pública

Da descoberta do Brasil, em 1500 - quando a prática se resumia a atuação de pajés e boticários - até a atualidade, intenso debate social deu fundamento à complexidade do modelo atual.

Na crise no sistema de saúde é um retrato da realidade brasileira. Os problemas da área estão presentes no cotidiano da população, que pena nas filas frequentes, falta de leitos hospitalares, escassez de recursos financeiros materiais e humanos para manter os serviços operando com eficácia, e denúncias de abusos cometidos pelos planos privados.

A carência de investimento dos governos em saúde pública e o consequente fortalecimento do setor privado direcionaram o Sistema Único de Saúde (SUS) para a população mais pobre, negando a característica de universalidade, original em sua concepção. Da descoberta do Brasil, em 1500 - quando a prática se resumia a atuação de pajés e boticários - até a atualidade, intenso debate social deu fundamento à complexidade do modelo atual.

Garantido pela Constituição e regulado pela Lei Orgânica da Saúde (LOS), o SUS prevê um sistema moldado para personificar o conceito de direito à saúde, baseado na universalidade, se contrapondo ao modelo anterior em que somente os contribuintes da previdência social tinham direito à assistência. Com o SUS, todos os indivíduos passaram a ter esse direito, garantido pelo Estado.

Necessariamente, o direito à saúde não significa direito à assistência à saúde, o que requer a articulação de políticas sociais ligadas às condições de emprego, salário, previdência, educação, alimentação, ambiente e lazer, a partir da visão do Trabalho Decente, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), na qual o empregado fica à disposição da empresa a partir do momento em que acorda até a hora em que retorna ao lar.

O SUS foi criado para ser o sistema de saúde de todos os brasileiros, com qualidade, eficiência e democracia. Ao se tornar provedor de saúde, o Estado e os governos devem efetivar o comprometimento com políticas sociais, uma vez a prestação dos serviços de saúde é uma das formas mais eficazes de promover a justiça social e humanizar a sociedade.

Levantamento do Ministério da Saúde divulgado em março último revela a complexidade no atendimento em hospitais conveniados ao SUS. O estudo propõe avaliação do sistema a partir de notas, medidas por 24 indicadores, entre os quais a cobertura da população pelas equipes básicas de saúde, proporção de partos normais e taxa de mortalidade das pessoas que chegam aos hospitais com infarto. De posse dos dados, o governo produz um indicador que mede o acesso da população a todo tipo de serviço e a eficiência da saúde no Brasil. De zero a dez, a nota nacional foi 5,4.

O índice de desempenho do SUS mostrou que o maior problema no país é o acesso. Os pacientes têm dificuldade em conseguir atendimento, principalmente nos hospitais, e para os procedimentos mais complexos.

Perto de 27% da população vive em cidades com nota abaixo de 5. A pior nota entre os principais municípios brasileiros foi para o Rio de Janeiro: 4,3. Lugar onde atendimento dos casos mais complexos é considerado muito bom pelo ministério, Vitória ganhou a maior nota: 7. Na comparação entre os estados, o primeiro lugar é de Santa Catarina (6,2) e a pior avaliação é a do Pará (4,1). As notas serão utilizadas na definição de metas e na liberação de recursos para estados e municípios.

As questões ligadas à saúde e segurança são eleitas pelo povo como prioridade – não apenas em períodos eleitorais - justamente por se voltarem ao mais caro dos bens: a vida. Governantes e a própria elite brasileira encaram o tema com a mesma miopia com que enxergam a educação, sem focalizar a raiz do processo, mas somente as conseqüências. Oxalá não demore para que o progresso econômico se potencialize no campo social, como aconteceu nos primórdios da formação dos países desenvolvidos.

 

Nilton Neco

Secretário Nacional de Relações Internacionais da Força Sindical

 

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br