Artigo

Saúde

Gestão: o problema sistêmico da Saúde

Há, em verdade, uma abundância de verbas que se desviam da real finalidade, que é salvar e proteger a vida humana.

 

A descoberta de sucessivos casos de corrupção no serviço público e o novo posicionamento do Brasil no cenário econômico mundial enfraquece a crença de que os problemas de atendimento de saúde à população têm origem na falta de recursos. Há, em verdade, uma abundância de verbas que se desviam da real finalidade, que é salvar e proteger a vida humana.

De todas as pastas, a saúde é a mais sensível à crônica crise de gestão que vem engessando a máquina administrativa. Filas nos hospitais e postos de saúde, demora entre o agendamento e a realização de consultas e exames e falta de médicos são defeitos do Sistema Único de Saúde (SUS) apontados pelos próprios usuários do serviço, conforme pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgada em fevereiro. O levantamento, realizado entre 3 e 19 de novembro de 2010, listou 2.773 pessoas que foram atendidas pelo SUS ou acompanharam alguém.

A falta de médicos figurou como principal reclamação de 57,9% dos entrevistados, seguida pela demora para o atendimento nos postos, centros de saúde e hospitais (35,9%). A espera para conseguir consulta com especialista foi a queixa de 34,9% dos ouvidos, fato que confirma o acesso como principal problema da saúde no Brasil. Tanto que 72,4% dos usuários avaliaram positivamente os serviços do SUS, atestando a qualidade no atendimento.

O sindicalista Marcelo Furtado, que precisou de atendimento de urgência e penou até conseguir, está entre os entrevistados que afirmaram possuir plano de saúde, dos quais 40% disseram pagar pelo serviço de saúde privado para obter maior rapidez na realização de consultas e exames.

Até que o programa Saúde da Família se aproxime de cobertura semelhante à existente em Portugal, Inglaterra e Espanha, na faixa de 85%, será difícil pensar em acabar com as filas. No Brasil, o primeiro atendimento - o que é feito na casa do paciente - cobre cerca de 30% da necessidade. A atuação dos médicos da família organiza o acesso ao sistema, quando identifica e faz o acompanhamento pré-natal, orienta cuidados com doenças crônicas e de idosos.

A promoção de ajustes imediatos em nível nacional na política de assistência do SUS se torna imperativa, sob pena de comprometer a universalização do acesso à saúde no Brasil e gerar conseqüências graves à saúde e à qualidade de vida da população brasileira.

Clàudio Janta - Presidente da Força Sindical-RS

 

 

 

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

Dia Nacional de Mobilização e Luta - 30 de agosto

A Força Sindical-RS mobilizou trabalhadores e dirigentes sindicais para o Dia Nacional de Mobilização e Luta para reivindicar o atendimento a Pauta Trabalhista pelo governo federal.

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

6º Seminário Faixa de Fronteira Fórum Social Mundial Temático 2014 CPI da Telefonia Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228-0098
contato@fsindical-rs.org.br