Artigo

Opinião

No Brasil não tem golpe, tem retirada dos direitos dos trabalhadores

Dos golpes na pauta trabalhista, o primeiro foi quando o compromisso com a redução da jornada virou pó.

Desde o anúncio do afastamento de Dilma da presidência da República, a antiga base do governo federal só faz trocar acusações entre si. Desta relação, que teve 13 anos de duração, quem tem arcado com o prejuízo é a classe trabalhadora. Na verdade, foram os trabalhadores que levaram um triste golpe de traição.

Começou quando, ainda no movimento sindical, tentamos reverter o fechamento dos bingos, que custou a demissão de 320 mil trabalhadores, por causa dos escândalos de propina do governo com Carlinhos Cachoeira. Depois veio o Mensalão e a série de escândalos que todo mundo já conhece e que os trabalhadores pagaram a conta, a ponto de o governo destruir com praticamente todos os fundos de pensão.

Dos golpes na pauta trabalhista, o primeiro foi quando o compromisso com a redução da jornada virou pó. Em 13 anos de governo, jamais honraram a principal luta das centrais sindicais. Então traíram a indústria nacional e geraram a demissão de 10 milhões de trabalhadores, que hoje estão na rua, sem carteira assinada. Antes disso, para completar o estrago, editaram as MPs 664 e 665, que excluem esses trabalhadores do direito ao seguro-desemprego, pensão e outros benefícios que poderiam assegurá-los.

O governo sangrou a Petrobras e o BNDES. Aos grandes empresários, deu dinheiro a fundo perdido, que jamais será recuperado. Às pequenas empresas, sobretaxaram com juros impagáveis e altíssimas tributações.

Então, quem deu golpe?

Apoiadores do governo de Dilma Roussef entendem que a saída da presidente é golpe de Estado. Por outro lado, todas as medidas contra o governo petista estão dentro da legalidade e fazem parte da democracia. O processo de impeachment é previsto na Constituição Federal como um mecanismo para remover governos corruptos e incompetentes – é o que se acusa o governo Dilma de ser. O processo no TSE, se acabar na cassação da presidente, também será legal.

A crise que levou milhares de pessoas às ruas é resultado de uma sucessão de erros do governo que causou uma grande insatisfação popular, e não de uma grande conspiração anti-democrática da oposição.

A Operação Lava Jato e os trabalhos da Justiça estão dentro da normalidade, já que não foi comprovada nenhuma ilegalidade nos atos do juiz Sérgio Moro, por exemplo, que está à frente da Lava Jato, apesar das controvérsias da condução coercitiva e da divulgação dos grampos de Lula.

O golpe está sendo dado pelo próprio governo, que ao nomear o ex-presidente Lula para o importante ministério da Casa Civil o colocou, na prática, na condição de chefe de Estado – ao mesmo tempo em que estaria protegendo Lula, concedê-lo o foro privilegiado.

O processo de defesa do impeachment passou pela mais alta corte, onde o atual governo indicou os ministros. Portanto o processo é legal e legítimo, assim como a luta do movimento sindical, que, mesmo depois do afastamento da Presidente, ainda continua batalhando pelas causas que sempre acreditou.

E é isso que vamos continuar fazendo. Ainda temos muito a conquistar pelos trabalhadores, por isso, esperamos e, mais do que isso, cobramos veementemente que, o atual governo nos ajude a conduzir o Brasil ao emprego e ao desenvolvimento econômico e social.

 

Clàudio Janta

Presidente licenciado da Força Sindical-RS

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br