Artigo

FST Fórum Social Mundial 2012

No Fórum Social, a afirmação de um mundo melhor para a maioria

Empregos de qualidade, incorporação de jovens, mulheres e trabalhadores com mais de 40 anos de idade no mercado de trabalho é o que o Brasil passou a fazer nos últimos anos e poderá manter desde que siga visualizando o bem estar e a qualidade de vida da população como meta principal.

 

Em 2001, quando da primeira edição do Fórum Social Mundial, a globalização já era uma realidade e o sistema econômico em vigor pregava a saída do Estado da economia e uma suposta capacidade do mercado de regular as relações comerciais, sociais e políticas automaticamente.

A doutrina conhecida como neoliberal via um revigoramento do capitalismo que a crise econômica mundial de 2008, aprofundada em 2011, mostrava em contrário: sem a intervenção do Estado, não há nação que sobreviva e o mercado é guiado pela especulação e visa o lucro em primeiro lugar.

Nos Estados Unidos, Europa e Japão, países do capitalismo central, não fosse o Estado injetar bilhões de dólares, as economias teriam falido, juntamente com os conceitos de “Estado Mínimo” e “mercado auto-regulável”.

Enquanto caía por terra a visão que dava mais valor ao capital que à produção, nações como a China, Índia e Brasil emergiam investindo no mercado interno e nos programas sociais, apostando justamente no enunciado “Um Novo Mundo é Possível”, apregoado há uma década pelo movimento social e setores progressistas, entre eles a Força Sindical, que idealizaram o FSM em contraposição ao Fórum Econômico de Davos, na Suíça. Este anualmente reúne a nata do pensamento capitalista.

Hoje, quando o Fórum Social Temático 2012, que se realiza novamente em Porto Alegre, entre os dias 24 e 29/01, focaliza o tema “Crise Capitalista, Justiça Social e Ambiental”, são crescentes as greves e protestos no denominado Primeiro Mundo. Ao valorizar o mercado interno e o salário mínimo, por influência das centrais sindicais, o Brasil avançou da oitava para a sexta posição entre as maiores economias do planeta.

Empregos de qualidade, incorporação de jovens, mulheres e trabalhadores com mais de 40 anos de idade no mercado de trabalho é o que o Brasil passou a fazer nos últimos anos e poderá manter desde que siga visualizando o bem estar e a qualidade de vida da população como meta principal.

Assim, o outro mundo prenunciado pelo FSM é mais que possível; é realizável.

Nilton Neco é presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, secretário nacional de Relações Internacionais da Força Sindical e membro do Conselho de Administração da Organização Internacional do Trabalho (OIT), eleito na 100º Conferência Internacional do órgão das Nações Unidas (ONU), em 2011, em Genebra, na Suíça.

 

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br