Artigo

Discussão

O Brasil deve continuar crescendo

Clàudio Janta, presidente da Força Sindical - RS.

O governo Lula apostou no mercado interno para enfrentar a crise econômica mundial. Reduziu impostos, ofertou crédito, valorizou o Salário Mínimo e, com isso, estimulou a produção e o consumo. Uma situação praticamente inédita no país, que gerou grande oferta de empregos e geração de renda.

O governo Lula apostou no mercado interno para enfrentar a crise econômica mundial. Reduziu impostos, ofertou crédito, valorizou o Salário Mínimo e, com isso, estimulou a produção e o consumo. Uma situação praticamente inédita no país, que gerou grande oferta de empregos e geração de renda. Um quadro de emergência das classes C e D para a classe média tradicional, como definiu o próprio governo. Os trabalhadores apoiaram essa política e apostaram na sua continuidade. Mal terminaram as eleições, a sinalização das autoridades econômicas não é das mais positivas.

Sob a antiga alegação de "combate a inflação", a equipe econômica resiste a reajustar o Salário Mínimo além de R$ 540,00, ao mesmo tempo em que anuncia uma forte restrição ao crédito. O objetivo é, segundo o governo, conter o consumo crescente, que não teria correspondência na ponta da produção. Uma política que, aparentemente, a sociedade brasileira considerava coisa de um passado já meio distante.

Por outro lado, o câmbio desfavorável ao país e o aumento das taxas de juros também conspiram contra o emergente mercado interno. Com isso, aprofunda-se a especulação financeira e a invasão de produtos estrangeiros, pelas mais variadas formas. A decorrência já em curso é a desindustrialização do país, com repercussão direta no nível de empregos. Aumentando a preocupação, o governo também sinaliza com aumento de impostos e corte de gastos públicos, especialmente nos investimentos nas obras do PAC.

É natural a busca do equilíbrio financeiro das contas do país e também o controle da inflação. Mas, é inaceitável a adoção das velhas receitas anti-inflacionárias recessivas, que premiam a farra dos bancos e  penalizam a produção, o emprego e a renda. O Brasil amadureceu ao longo dessa década em que experimentou um longo período de estabilidade econômica e bem estar social. A continuidade dessa política desenvolvimentista foi o principal compromisso eleitoral do novo governo eleito. Os trabalhadores não aceitarão a política do "freio de arrumação" as custas dos seus empregos e salários.


Clàudio Janta é presidente da Força Sindical - RS.

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br