Artigo

Artigo

O fato e o jornalismo barato

O avanço do sindicalismo brasileiro incomodou tanto os setores conservadores da sociedade que a mídia foi chamada para fazer o trabalho sujo.

O avanço do sindicalismo brasileiro incomodou tanto os setores conservadores da sociedade que a mídia foi chamada para fazer o trabalho sujo. Diariamente, os meios de comunicação estampam notícias em que o sindicalismo está na berlinda e é tratado como a bola da vez do noticiário. A cada abordagem, emissoras de rádio e televisão, jornais e revistas apresentam denúncias e acusam sindicalistas de práticas condenáveis, quase sempre sem apresentar provas cabais e limitadas à existência de “indícios” que sugestionem o espectador. Justamente o contrário dos princípios básicos do jornalismo, que não admitem ilações acerca dos fatos e tampouco subjetivismo, trazendo a lembrança do poeta e jornalista Carlos Drummond de Andrade quando pronunciou a célebre frase de que “não há nada mais eloqüente que o fato”.

O fato em questão é a maturidade do sindicalismo organizado, que tem arrancado importantes conquistas institucionais – como o veto presidencial à Emenda 3, da precarização do trabalho àlegalização das centrais, o envio para a ratificação das convenções 151 (que garante o direito de negociação coletiva aos servidores públicos) e 158 (que proíbe a dispensa imotivada), ambas da OIT. Também ganha destaque o acordo com o governo federal para o reajuste do salário mínimo até 2023, indexado ao aumento da inflação, mais a variação do PIB; edição da medida provisória 388, que modifica as regras para o trabalho aos domingos no comércio; oficialização da participação do movimento sindical nos conselhos do Sesi, Senai, Sesc e Senac (Sistema S).

Os ataques ao movimento sindical e a seus principais personagens, como Paulinho da Força, nunca deixam de lamentar a existência de contribuições arrecadas dos trabalhadores. Para os agressores, as entidades deveriam se contentar com doações espontâneas, sem merecer o direito a impostos compulsórios, como ocorre com toda a carga tributária brasileira. Aliás, se o imposto sindical não vale, nenhum imposto pode valer, nem a nova tentativa de ressuscitar a CPMF. Social por excelência, o sindicalismo sobrevive exclusivamente do que arrecada dos empregados, sem contar com polpudas injeções de dinheiro que vão para a mídia em forma de publicidade. É natural, portanto, que a televisão e os rádios, as revistas e jornais, não falem a nossa língua e vejam um Brasil diferente do que vivemos cotidianamente.

Voltando ao fato e contrariando as vozes do Além, o custo/hora da mão-de-obra brasileira está entre os menores do Mundo. Enquanto o trabalhador do Brasil custa US$ 4,1, na Alemanha o mesmo custo é de US$ 33,0; na Holanda, US$ 31,8; na França, US$ 24,6 e nos Estados Unidos US$ 23,7. Na Coréia do Sul, um dos Tigres Asiáticos, o custo/hora do trabalhador é de US$ 13,6, três vezes maior que o brasileiro. Tais números contrariam outra tese, a de que o custo da mão-de-obra nacional é um dos empecilhos para uma maior competitividade do País, exatamente o oposto do falso alarde feito pelos mesmos órgãos da mídia.

Clàudio Janta, presidente Força Sindical-RS

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br