Artigo

Artigo

Quem está perdendo é a sociedade

A sociedade gaúcha é a grande perdedora após a votação do Plano de Recuperação do Estado. Foram 34 votos contrários e nenhum a favor do projeto do executivo que visava sanear as finanças do governo, há décadas amargando um déficit após outro.

A sociedade gaúcha é a grande perdedora após a votação do Plano de Recuperação do Estado. Foram 34 votos contrários e nenhum a favor do projeto do executivo que visava sanear as finanças do governo, há décadas amargando um déficit após outro. Aliás, o Rio Grande é o único estado da federaçãoque não conseguiuatingir o equilíbrio de suas contas, o que é deveras preocupante. A radicalização do placar prova o descompasso entre o que pensa o governo e o que a sociedade pretende, justamente a resistência à elevação da carga tributária; uma postura que todos queriam ver assumida por parlamentares em âmbito municipal, regional e federal.

Basta observar a dificuldade que o governo federal tem encontrado para aprovar a CPMF, mesmo tendo formado uma base política ampla, pois não se quer pagar impostos de forma progressiva. Nunca chegam notícias da queda de impostos, ou dos preços de produtos e serviços. É o contrário: leite, gasolina, passagens de ônibus e o próprio custo de vida seguem sempre um só sentido, subindo sem parar. O que se espera é colaboração dos demais poderes na luta pela redução do déficit do Estado a níveis aceitáveis. O executivo já extinguiu 80% dos cargos de confiança e coloca à venda imóveis cuja renda servirá para o pagamento de precatórios. O Rio Grande ocupa a 14º posição no ranking brasileiro de peso do ICMS no Produto Interno Bruto, perdendo para estados de menor porte.

Será preciso grandeza dos poderes Legislativo e Judiciário para que prevaleça a noção de racionalismo econômico. Senão estaremos lidando com um nível de consciência semelhante àquele do cidadão que acredita que não deve economizar água, mas sim o vizinho. A mesma visão do motorista que lava o carro na calçada, deixando jorrar o desperdício à vontade. Aos olhos do povo, o dinheiro público serve para bancar a construção de prédios suntuosos e para patrocinar a renovação de frotas de carros modernos para as chamadas autoridades, que usufruem as benesses como quem está por cima da carne seca.

Autoridades e representantes públicos deveriam se mirar no povo que lhes dá investidura. Caso agissem assim, veriam o malabarismo que nossa gente faz para viver com um salário que perde força a cada dia e compra menos que na semana passada. Como um camaleão, a população se adapta a todas as variações do meio, adiando para depois os melhores sonhos da vida. E dizer que vem do povo a riqueza que move toda a engrenagem. Afinal, de grão em grão a galinha enche o papo e há milhões contribuindo para que o bolo cresça e não seja repartido de forma igualitária. Infelizmente.

Clàudio Janta, presidente da Força Sindical-RS

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br