Artigo

Opinião

Quem ganha com a ação dos Black Blocks?

Escondidos por trás da máscara desta visão distorcida do anarquismo estes manifestantes vândalos fazem o papel, quando não são, na verdade, meros e desprezíveis, agentes provocadores da direita.

A ação dos Black Blocks (ou vândalos, como alguns os chamam) nas manifestações não ajuda os trabalhadores, nem a ação sindical, nem a democracia. Ao contrário, atrapalha.

Por exemplo: a manifestação das centrais sindicais na Jornada Mundial pelo Trabalho Decente e a grande mobilização social em apoio aos professores no Rio de Janeiro e em São Paulo, no dia 07 de outubro, acabaram ofuscadas pelo quebra-quebra por eles provocado.

Quem ganha com isso? Parece que a história se repete: quem não se lembra da infiltração de agentes disfarçados de agitadores, nas mobilizações dos marinheiros, no Rio de Janeiro, antes do golpe militar de 1964? O próprio líder do movimento, o cabo Anselmo, era agente policial!

Aqueles que causam depredações de patrimônios públicos e privados nas manifestações são, de um modo geral, manifestantes equivocados que se pretendem “anarquistas” mas assimilam de forma distorcida e rasa velhos métodos da “ação direta” do anarquismo, sobretudo no início do século 20.

Escondidos por trás da máscara desta visão distorcida do anarquismo estes manifestantes vândalos fazem o papel, quando não são, na verdade, meros e desprezíveis, agentes provocadores da direita.

Sejam eles equivocados ou provocadores com uma ação intencional o efeito de suas ações é sempre o mesmo: deixar em segundo plano, através da depredação e a violência, as bandeiras e reivindicações legítimas do movimento social e justificar medidas oficiais para restringir o direito constitucional à livre manifestação.

Basta ver as manchetes dos jornais e noticiários que, devido à gravidade da ação dos Black Blocs, acabaram sendo totalmente tomadas por elas.

Os trabalhadores não aceitam isso! Não aceitamos a violência como forma de manifestação. Repudiamos a violência daqueles que, interessadamente ou não, criam os pretextos para os ataques da polícia contra suas manifestações de reivindicação, que são firmes, mas pacíficas.

Os trabalhadores querem mobilizar o povo e não afastá-lo com o fomento do medo e da violência.Os trabalhadores não podem ser reféns daqueles que agem para desfigurar manifestações legítimas e democráticas.

João Carlos Gonçalves (Juruna) – secretário-geral da Força Sindical

Artigo Publicado no jornal Diário de S. Paulo em 16/10/13

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br