Artigo

Artigo

Se o imposto sindical não vale, os outros também.

Imagine se pega a moda de questionar os impostos. O país vai parar. São os impostos que movem o serviço público, o abastecimento de água, o fornecimento de luz elétrica, assim como a manutenção de toda a infraestrutura.

Imagine se pega a moda de questionar os impostos. O país vai parar. São os impostos que movem o serviço público, o abastecimento de água, o fornecimento de luz elétrica, assim como a manutenção de toda a infraestrutura. O Estado arrecada tributos impostos à população, como o próprio nome indica. O imposto sindical faz parte da malha fiscal da República Federativa do Brasil.

E porque só o imposto sindical é alvo de questionamento? Porque a Justiça e o Ministério Público editam súmulas e portarias pondo em questão as contribuições sindicais? Porque não questionar todos os impostos, muitos deles recolhidos sem que o contribuinte sequer saiba de sua existência?

O que parece estar em xeque é a pesada carga tributária brasileira, que consome 40% das riquezas que o país produz (PIB). Trabalhamos de janeiro a maio para arcar com tanto tributo e cada governo se vê no direito de elevar alguma alíquota e pesar ainda mais a carga, sempre alegando falta de recursos. Esse é o debate central entre a sociedade gaúcha e o governo do Estado, que afirma a necessidade de equilibrar as contas públicas. Segundo o Ministério da Fazenda, o Rio Grande do Sul é o único estado da União a não ter alcançado essa meta.

Que tal começar pela CPMF – Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira – criada há anos para socorrer a saúde pública, mas que se transformou em permanente? O governo só falta dizer que sem ela o mundo vai acabar. Será?

Chegou a hora de botar os pingos nos “is” e ver que, num universo de impostos de todo o tipo, o imposto sindical está entre aqueles cuja finalidade é clara, servindo para manter as entidades que prestam um serviço público, que é a proteção ao trabalho, mantendo – inclusive – serviços que são obrigação do Estado, como atendimento médico e odontológico, assistência jurídica, psicológica.

Cabe lembrar que o imposto sindical – correspondente a um dia de trabalho no mês de março – foi questionado apenas para as entidades sindicais, os sindicatos dos trabalhadores. O imposto que vai para as entidades patronais não foi alvo de questão, como se este tivesse mais validade que aquele. Tomara que a moda pegue.

Clàudio Janta
Presidente da Força Sindical-RS

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br