Artigo

Artigo

Temos de reduzir a CPMF

Vamos construir mais uma trincheira de luta no Congresso que vai nos ajudar a reduzir a alíquota da CPMF de 0,38% para 0,08% em três anos. Queremos negociar com o governo a manutenção da contribuição apenas para fiscalizar e controlar a movimentação bancária e impedir a sonegação.

Vamos construir mais uma trincheira de luta no Congresso que vai nos ajudar a reduzir a alíquota da CPMF de 0,38% para 0,08% em três anos. Queremos negociar com o governo a manutenção da contribuição apenas para fiscalizar e controlar a movimentação bancária e impedir a sonegação.

Como não defendemos medidas que provoquem o desequilíbrio das contas públicas (o que pode ocorrer se a CPMF cair), pretendemos chamar as lideranças do Congresso para um debate sobre a manutenção do imposto. Pela lei atual, a CPMF acaba no fim de dezembro de 2007.

Desde sua criação, em 1996, a alíquota de contribuição variou de 0,2% para 0,32%. O imposto foi criado para financiar a saúde, mas hoje boa parte dos recursos é usada para outras finalidades, o que reprovamos. Neste ano, a CPMF vai render mais de R$ 35 bilhões para os cofres públicos. A previsão para 2008 é a arrecadação chegar a R$ 39 bilhões.

A Força Sindical defende uma reforma tributária capaz de desonerar a produção e de aumentar alíquotas para os setores especuladores, que têm obtido lucros exorbitantes nos últimos anos. Exemplos: o lucro do Banco Itaú atingiu R$ 4,016 bilhões no primeiro semestre e superou o do Bradesco, maior banco privado do Brasil, que foi de R$ 4,007 bilhões. O recorde, incluindo bancos públicos, é do Banco do Brasil, que lucrou R$ 4,032 bilhões na primeira metade do ano passado.

Estes resultados são decorrentes do atual modelo econômico que privilegia o capital financeiro. Por isso, estamos convencidos da urgência da reforma tributária para desafogar os setores da economia que podem crescer muito ainda, gerando emprego e renda.

Atualmente, mesmo sem aumento de alíquotas dos tributos, as empresas dos setores de metalurgia, automobilística, seguros, telecomunicações e comércio atacadista lideram o ranking dos segmentos econômicos que apresentaram maior crescimento no pagamento de impostos, com variação positiva de 18,51% a 35,83%.

Paulo Pereira da Silva, Paulinho
Presidente da Força Sindical

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br