Artigo

Artigo

Trabalhar muito faz mal à saúde

Oportunamente, o movimento sindical brasileiro retomou a campanha pela redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, 20 anos após a diminuição promovida pela Constituinte de 1988.

Oportunamente, o movimento sindical brasileiro retomou a campanha pela redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, 20 anos após a diminuição promovida pela Constituinte de 1988. Em duas décadas, a economia brasileira ingressou na era da estabilidade, especialmente após a adoção do plano real (1994) e já respirando os ares democráticos do fim da ditadura. Os primeiros sinais da mudança foram visíveis na década de 90, período em que mais que dobrou a produtividade econômica. O fato criou uma situação peculiar, com muitos desempregados de um lado e de outro um grande número de pessoas trabalhando cada vez mais, fazendo horas extras para enfrentar as mudanças que vieram com as inovações tecnológicas e com a flexibilização das normas do trabalho, grande parte delas apresentadas pelo setor empresarial, via Congresso Nacional.

A importância do corte na carga horária vai além da abertura de novas contratações – 2,2 milhões, para a realização de 40 horas semanais, conforme o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (DIEESE). O tema oportuniza o debate sobre a validade das horas extras e do banco de horas, dois vilões, na visão dos sindicalistas. O primeiro porque cria a ilusão da valorização salarial, pois ao trabalhar mais o empregado tenta compensar um salário sempre insuficiente. No regime do banco de horas, o trabalho extraordinário seria transformado em folgas. Na prática, a bonificação em horas vagas nunca corresponde ao tempo gasto no trabalho e as folgas vêm ao bel prazer do patrão, sem que o trabalhador possa dispor destas quando desejar. Dois motivos que levaram a redução da jornada na França a não alcançar os resultados esperados, já que a diminuição pura e simples não produz o aumento de vagas, sendo indispensável o simultâneo corte nas horas extras e no banco de horas, considerados pesadelos pelos trabalhadores. No caso francês, ainda há que se levar em conta o fato da grande presença de imigrantes de diversas partes do mundo.

O crescimento econômico, a melhora dos indicadores do mercado de trabalho, a ampliação do consumo e o aumento da capacidade instalada da indústria dão mostras que o país experimenta um novo ciclo de crescimento e desenvolvimento, mesmo abaixo das chamadas nações emergentes, como India e a vizinha Argentina. Mais: contrariando as vozes do Além, o custo da mão de obra brasileira está entre os menores do mundo. Conforme levantamento do U.S Department of Labour feito em 2005, enquanto o custo/hora do trabalhador do Brasil é de 4,1 dólares, na Alemanha o mesmo custo é de US$ 33,0; na Holanda, US$ 31,8, na França, US$ 24,6 e nos Estados Unidos US$ 23,7. Na Coréia do Sul, o custo/hora é de US$ 13,6, três vezes maior que o brasileiro. Tais números contrariam outra tese, a de que o custo da mão de obra precisa cair e de que este é um dos empecilhos para uma maior competitividade do País.

E para quem ainda resiste a aceitar a redução da jornada de trabalho como um bem para o Brasil, recorremos aos especialistas da área de saúde. De acordo com os cientistas da Agência Pública de Barcelona, uma jornada superior a 40 horas por semana afeta aos homens com distúrbios no sono. Nas mulheres, aparecem sintomas de hipertensão, ansiedade e uma insatisfação geral, além da possibilidade de transtornos psíquicos e hormonais. A conclusão de sindicalistas, economistas e cientistas é de que trabalhar demais faz mal à saúde do trabalhador e do Brasil.

Clàudio Janta, presidente da Força Sindical-RS

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br