Artigo

Artigo

Uma proposta indecente aos trabalhadores

O governo não leva em consideração os mais de 1,3 milhão de trabalhadores e trabalhadoras, tanto de empregos formais quanto informais, que estão vendo seus salários sacrificados.

Justamente em um momento que o Rio Grande do Sul precisa de desenvolvimento, crescimento econômico e aumentar o poder de compra, o governo estadual encaminha para a Assembleia Legislativa um projeto que propõe o aumento do salário mínimo regional em 9,6% - índice muito INFERIOR à inflação do período, que foi de 11,38%.

O mínimo regional tem cinco faixas salariais, que atualmente variam de R$ 1.006,88 a R$ 1.276, conforme o segmento profissional. Com esta proposta de reajuste os rendimentos ficariam entre R$ 1.103,66 e R$ 1.398,65.

Nesse início de 2016 o povo com certeza já conhece vários itens que vão pesar no custo de vida da população durante o ano. Um deles é o gasto com transportes, que é importante no orçamento das famílias, para trabalhar e para deslocamento. É preciso considerar que algumas cidades já fizeram aumentos relativamente fortes nas passagens dos ônibus urbanos. Ou seja, o início do ano já concentra alguns reajustes expressivos e de peso no bolso das famílias.

O governo não leva em consideração os mais de 1,3 milhão de trabalhadores e trabalhadoras, tanto de empregos formais quanto informais, que estão vendo seus salários sacrificados na velocidade do aumento da inflação, já que os produtos, serviços e impostos disparam de forma exorbitante.

Várias categorias recompuseram a inflação e ainda conquistaram o aumento real, como por exemplo os comerciários de Porto Alegre. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) o ganho real esteve presente em 76% das negociações coletivas do RS no 1º semestre de 2015, ainda que existem enormes dificuldades, como a elevação dos índices de inflação no ano, o recuo da atividade econômica no Brasil e Rio Grande do Sul e o agravamento da incerteza política e econômica. Os ganhos reais de salários possibilitam a ampliação do nível de renda das famílias, e têm sido o pilar da melhoria da distribuição de renda no Brasil nos últimos anos.

Na hora de recompor a defasagem, quem mais sofre são os trabalhadores, justamente as pessoas que mais precisam da proteção do Estado. Sabemos que um salário digno reflete em efeitos imediatos no nível de bem-estar das famílias, sobretudo na saúde, educação, alimentação e habitação.

Nossos governantes precisam parar de enganar as pessoas, realizar mídia enganosa e desprezar quem trabalha e contribui para este Estado. O governo estadual e a ALRS devem tratar com clareza as questões que influenciam diretamente na vida dos trabalhadores.

 

Clàudio Janta

Presidente estadual licenciado da Força Sindical

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br