Artigo

Unidade de ação

Unidade de ação: o diferencial brasileiro na organização sindical

Mais que expor a disputa entre duas teses - a que vê na valorização do mínimo um elemento indutor do crescimento, e outra, que focaliza o controle de gastos - o episódio da votação do salário mínimo ressaltou para o mundo um diferencial brasileiro: a ação integrada entre as seis centrais sindicais existentes no País.

Mais que expor a disputa entre duas teses - a que vê na valorização do mínimo um elemento indutor do crescimento, e outra, que focaliza o controle de gastos - o episódio da votação do salário mínimo ressaltou para o mundo um diferencial brasileiro: a ação integrada entre as seis centrais sindicais existentes no País.

Nada de mais, não fosse a dificuldade de encontrar exemplo similar no planeta, o que há anos desperta a atenção de sindicalistas de todos os continentes, tal a forma com que as diferenças orgânicas e doutrinárias dão lugar a um pragmatismo que vem dando certo.

A admiração dos estrangeiros com a unidade de ação entre as centrais sindicais brasileiras tem sido manifestada em encontros internacionais e ratificada em eventos como o Fórum Social Mundial, quando, invariavelmente, o assunto é tema que desperta o interesse das lideranças seja de nações ricas como pobres.

A história de intensa disputa entre diferentes correntes, ocorrida na formação das centrais, no final da década de 70, e a superação da fase de revanchismo entre elas, no limiar do Terceiro Milênio, deu provas de que no Brasil, a globalização também se fez sentir na organização sindical. De sorte que hoje, ao ver o levante árabe contra as ditaduras e o fundamentalismo religioso, constatamos que os trabalhadores enfrentaram a ditadura militar desde a metade dos anos 60, intervieram na construção de uma Constituinte renovadora, em 1988, e ingressaram na década de 90 respirando os ares democráticos.

A eleição de um autêntico representante deste período para a presidência da república consagrou a escalada do movimento sindical em direção ao centro de decisões políticas do País. Os dois mandatos de Luis Inácio Lula da Silva - o ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e fundador da Central Única dos Trabalhadores (Cut) foi uma afirmação de que os trabalhadores haviam entendido que era preciso ir além do mero movimento reivindicatório. A seguir, em 1991, era fundada a Força Sindical, e com ela a era do pragmatismo no movimento sindical brasileiro.
Independente do índice que será aprovado pelo Congresso Nacional, a grande marca estará na integração entre as centrais, cuja ação já efetivamente influi na política nacional, como é fato a redução do IPI da chamada linha branca, a correção da tabela do imposto de renda e as políticas setoriais adotadas quando o mundo ingressava numa crise sem precedentes na história do capitalismo.

Tal solidez permitirá que o sindicalismo brasileiro persista em questões fundamentais como a redução da jornada de trabalho - sem redução salarial - e a afirmação da tese do Trabalho Decente, aquela cujos conceitos vão além da reivindicação salarial, mas consideram que a realização sadia do trabalho depende de um conjunto de fatores que incluem meio ambiente de trabalho e meio ambiente. Esse é o diferencial brasileiro.


Nilton  Neco, secretário de Relações Internacionais da Força Sindical e presidente do Sindec/Poa

Enviar artigo para amigo(a)

Imagem de verificação

Outros artigos

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br