Notícias

Seminário 08/12/2017 16:32

Central debate ações jurídicas e sindicais para o enfrentamento da Reforma Trabalhista

Seminário ocorreu nesta sexta-feira (8) em Porto Alegre

Esta sexta-feira (8) foi de intenso debate sobre a Reforma Trabalhista e o impacto nas relações de trabalho e no custeio das entidades sindicais. O Seminário “Reforma Trabalhista na prática: unir, resistir e avançar”, reuniu os dirigentes das entidades filiadas à Central, na sede do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre.

A mesa de abertura foi composta pelo 1º vice-presidente da Central, Edson Feijó, 2º vice-presidente, Marcelo Furtado; Diretor de Formação Sindical, Clàudio Correa; Presidente em exercício da Fetracos-RS, Dionísio Mazuí e Assessora Jurídica Dr.ª Carmem Pinto.

Palestras

O Auditor Fiscal da Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho, José Clàudio Gomes Magalhães iniciou a sua palestra criticando duramente a nova legislação trabalhista. “É um desastre, uma tentativa de volta ao código Napoleônico”, enfatizou.

Para ele, a Reforma é um caminho facilitador para fraudes, principalmente em grandes setores do país. “Ela mexeu com toda a CLT, ainda possui uma medida provisória e mais de 1 mil emendas. Não se sabe o que vai sair daí”, disse.

Magalhães reforçou a posição contrária da AGITRA sobre a questão, relatando que a associação encaminhou uma reclamação à Organização Internacional do Trabalho que, dentre outros pontos, questiona a falta de consulta necessária aos atores sociais para a aplicação da nova legislação e a possibilidade de terceirização geral e irrestrita.

Na sequência o representante da Fecomércio-RS, Advogado Flávio Obino, fez a sua crítica ao que ele denomina marco legal trabalhista. “A CLT sempre foi engessada e detalhista, e não está adaptada ao momento atual. Não protege o trabalhador em época de crise, fazendo aumentar a informalidade e não facilita ganhos em época de bonança. Por isso a Reforma Trabalhista nos socorre”, afirmou.

Para Obino, o maior avanço da nova legislação é a possibilidade de negociação setorial de tudo o que não se caracteriza como direito civilizatório mínimo, o que segundo ele, repete o que já consta na Constituição Federal.

“Segurança jurídica é a palavra de ordem da Reforma Trabalhista, porém só se constrói segurança jurídica através da negociação coletiva. Para isso, precisamos de sindicatos fortes e isso requer aporte financeiro, por isso sempre defendi a contribuição universal para as entidades laborais e patronais”, concluiu.

Grupos de Trabalho

Na parte da tarde os dirigentes se dividiram em três grupos de trabalhos para discutir ações práticas sobre Estatutos Sociais, Cláusulas Negociais e Sustentabilidade dos Sindicatos. As deliberações serão redigidas em um documento com as decisões do Seminário.

Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/29c

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br