Notícias

Salários 06/01/2015 15:46

Crise no setor de óleo e gás faz salários despencarem

Petróleo em baixa, economia desacelerada e escândalos fazem empresas eliminar vagas e diminuir remuneração de executivos.

A combinação entre a desaceleração econômica do país, a queda nos preços internacionais do petróleo e, mais recentemente, o escândalo de corrupção na Petrobras levou a cadeia produtiva do setor de óleo e gás a eliminar 14 mil empregos no Brasil em 2014, segundo estudo da consultoria Petra Group, especializada em recrutamento de executivos. E o período de ajuste ainda está longe de terminar: a projeção para este ano é de uma redução de 10% nos salários de executivos de alta gestão contratados em novas vagas. Profissionais administrativos e operacionais também são afetados, com uma diminuição salarial de 15% e 10%, respectivamente, nas contratações recentes.

“Um gerente de Recursos Humanos, que antes ganhava entre R$ 22 mil e R$ 23 mil por mês, agora pode ser contratado por R$ 16 mil, R$ 17 mil”, exemplifica Adriano Bravo, presidente da Petra Group. O maior rigor da Petrobras no pagamento a fornecedores a partir da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, se somou em 2014 ao enxugamento de pessoal em duas petroleiras privadas que movimentaram o mercado fluminense nos últimos anos, com contratações a peso de ouro. A partir de 2013, OGX (hoje, Óleo e Gás Participações) e HRT passaram por enxugamentos radicais no quadro de funcionários. Com isso, o salário de um gerente de fabricação, antes na casa de R$ 22 mil a R$ 23 mil mensais, caiu para a faixa entre R$ 18 mil e R$ 19 mil.

Além da redução nos benefícios e na remuneração indireta dos executivos, as companhias de óleo e gás estão recorrendo à substituição de expatriados por brasileiros como forma de cortar custos. O rearranjo pelo qual passa o setor também se reflete entre os recém-formados. “No setor de óleo e gás, os formandos de engenharia têm a menor oferta de emprego dos últimos dez anos”, diz Bravo. O ritmo veloz das descobertas em terra e no mar — só entre janeiro de 2013 e fevereiro do ano passado foram 46, sendo 15 delas no pré-sal — contribuiu para elevar a remuneração no setor a níveis muito superiores aos de outros segmentos.

Por concentrar a maior parte das reservas brasileiras, o Rio de Janeiro foi particularmente beneficiado tanto pelas descobertas como pela entrada de novos players privados. Dentro do segmento de óleo e gás, posições administrativas no Rio, por exemplo, pagavam nos últimos três anos de 15% a 20% a mais, em média, do que o setor industrial de São Paulo. Essa distorção tende a se corrigir ao longo de 2015. “Vai haver um movimento forte de downsizing no mercado este ano, para trazer os salários à realidade brasileira”, afirma Bravo.

Independentemente do cenário brasileiro, a queda vertiginosa dos preços do petróleo no mercado internacional tem pressionado as empresas de exploração e produção a cortarem custos. Ontem, o barril de petróleo do tipo leve americano para entrega em fevereiro chegou a ser negociado em Nova York por menos de US$50 pela primeira vez em quase seis anos. O barril de petróleo do tipo brent também atingiu sua menor cotação desde 2009.

Mesmo num cenário desanimador, a expectativa do presidente da Petra Group é de uma volta à normalidade ao longo deste ano e do próximo, num movimento de recuperação impulsionado pela exploração do pré-sal. Em áreas técnicas mais especializadas, como geofísica, geologia e petrofísica, não houve por enquanto alterações salariais — tanto para cima como para baixo. A relativa estabilidade nesse caso é resultado da escassez de profissionais específicos. Um gerente de parada programada — encarregado de executar interrupções para manutenção preventiva ou corretiva — pode receber até US$ 1 milhão por ano, já que no Brasil há pouquíssimos profissionais com este tipo de experiência comprovada no setor de óleo e gás.

Na avaliação de Bravo, as denúncias de corrupção envolvendo empreiteiras fornecedoras da Petrobras podem favorecer a entrada de novos players no mercado brasileiro, em substituição às companhias que tiverem culpa comprovada em atos de corrupção. A possível redução no papel da Petrobras, ainda em decorrência dos escândalos, também abriria mercado para petroleiras vindas de fora do país.

 

Brasil Econômico

Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/1nF

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Fórum Social Mundial da Biodiversidade 2015 debate a transição justa e o trabalho decente

Terceirização na mira do STF

Metalúrgicos de Gravataí doam mais de uma tonelada de alimentos não perecíveis

Centrais preparam marcha por direitos

Supermercados registram menor expansão em oito anos

Governo admite que pode ajustar alterações no seguro-desemprego

Rodoviários de Porto Alegre aceitam proposta de reajuste da classe patronal

Centrais trabalhistas têm papel fundamental no Fórum Social Mundial da Biodiversidade

Força reúne centenas de trabalhadores em manifesto contra redução de direitos

28 de Janeiro: Dia Nacional de Lutas em Defesa dos Direitos e do Emprego

Governo vai recuar em mudanças no seguro-desemprego

Sindicato dos Metalúrgicos abrem inscrições para cursos de capacitação

Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre realiza consulta para negociação coletiva de 2015

RS registra a menor geração de empregos desde 2003

Confiança do consumidor em janeiro atinge menor nível histórico

Centrais sindicais criticam fala de Levy sobre seguro-desemprego

Sindnapi realiza atividades alusivas ao Dia do Aposentado

Chapa 4 apoiada, pela Força Sindical, denuncia processo antidemocrático na eleição

Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí é contra as mudanças no Seguro Desemprego

Centrais pedem apoio à Assembleia para garantir constitucionalidade do piso

Fetracos debate perspectivas para os trabalhadores e confirma adesão a mobilizações

Aposentados preparam ato por mais valorização da categoria

Força Sindical: alta da Selic é contrária a qualquer projeto de desenvolvimento

Força Sindical participará do Fórum Social Mundial da Biodiversidade no AM

Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre divulga nota de esclarecimento

Mais notícias

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br