Notícias

Reforma da Previdência 01/03/2017 16:46

Deputados se opõem a idade mínima na aposentadoria proposta por Temer

A idade mínima é um dos eixos do projeto de Michel Temer

Metade dos integrantes da comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa a reforma da Previdência se opõe à exigência de idade mínima de 65 anos para aposentadoria, e a maioria discorda de outros pontos cruciais da proposta apresentada pelo presidente Michel Temer.

A idade mínima é um dos eixos do projeto, porque valeria para todos os trabalhadores e acabaria com o sistema que hoje permite aos que se aposentam por tempo de contribuição obter o benefício precocemente, em média aos 54 anos, idade muito mais baixa do que em outros países.

Levantamento revela que 18 dos 36 integrantes da comissão especial são contra a idade mínima proposta por Temer. Sete entre eles defendem a fixação de idades inferiores a 65 anos. A enquete mostra também que a maioria quer modificar pelo menos outros quatro pontos importantes do projeto do governo, prioridade legislativa de Temer neste ano.

Entre os que defendem mudanças estão integrantes da base governista, inclusive do PMDB, partido do presidente. “Não somos obrigados a fazer nada empurrado pelo governo goela abaixo”, diz o peemedebista Mauro Pereira (RS), que defende idade mínima menor do que 65 anos. “Não se discute que a reforma é necessária, mas acho que alguns pontos [da proposta do governo] foram exagerados”, diz o deputado Reinhold Stephanes (PSD-PR), ex-ministro da Previdência.

Apenas um integrante da comissão, Darcísio Perondi (PMDB-RS), vice-líder do governo na Câmara, diz apoiar as mudanças propostas para o BPC (Benefício de Prestação Continuada), benefício assistencial pago a idosos e pessoas com deficiência pobres.

O governo quer desvincular o benefício do salário mínimo, o que abriria caminho para reduzir seu valor, e aumentar a idade mínima para alcançá-lo, de 65 para 70 anos. “Se tem uma coisa cruel e sem escrúpulo, é essa desvinculação”, disse o deputado Heitor Schuch (PSB-RS), cujo partido é da base de Temer.

A regra de transição proposta para quem está mais perto da aposentadoria, que beneficiaria mulheres com 45 anos ou mais e homens a partir dos 50, também desagrada à comissão. Só sete integrantes declararam apoio ao texto original, enquanto 26 disseram ser contrários a ele.

O relator do projeto, Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), já declarou que pretende alterar esse ponto. Ele quer uma regra mais proporcional, que leve em conta o tempo que falta para cada pessoa se aposenta.

MUDANÇAS

O PSDB, principal aliado do governo, também prepara mudanças. “A

sensação, ao conversar com os colegas, é que muitos pontos têm que ser aprimorados ou revistos”, diz Eduardo Barbosa (PSDB-MG).

Só nove deputados dizem apoiar a unificação de regras para homens e mulheres, como prevê o projeto de Temer. Outros 22 disseram ser contra a ideia, devido às diferenças que separam homens e mulheres no mercado de trabalho. “É um erro absurdo colocar as mesmas regras”, afirmou Assis Carvalho (PT-PI).

O governo reconhece que muitas diferenças persistem, mas argumenta que elas têm diminuído e que problemas do mercado de trabalho não deveriam ser resolvidos pela Previdência. A comissão que votará o parecer do relator Arhur Maia tem só uma mulher como titular. Os outros 35 integrantes são homens.

Outro ponto criticado pela maioria é a nova fórmula de cálculo das aposentadorias, que obrigaria os trabalhadores a somar 49 anos de contribuição para ter direito ao benefício integral. Declaram-se contrários 25 deputados.

Principal voz do governo na comissão e único dos 35 entrevistados a declarar que a proposta não precisa de mudanças, Darcísio Perondi admite que há espaço para conversar. “Por enquanto, não tem o que mudar, mas o governo está aberto”, afirmou.

A comissão especial é onde ocorre a primeira etapa da discussão da reforma. O relator Arthur Maia promete apresentar na última semana de março seu parecer, que será votado pelo colegiado e depois encaminhado para o plenário, onde a reforma precisa do apoio de pelo menos 308 dos 513 deputados federais. (Folhapress)

Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/26G

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Centrais Sindicais enviam documento a Temer pedindo veto ao PL - 4.302 da Terceirização

Setor de serviços inicia 2017 em queda no País

Dia Nacional de Lutas: Força Sindical defende o dia 28 de abril para manifestações

Posto de Saúde começa a atender até 22 horas em Porto Alegre

Presidente do Senado pautará projeto que pode alterar terceirização aprovada na Câmara

Câmara aprova terceirização para qualquer atividade em empresas públicas e privadas

PL 4.302/98: Câmara inicia discussão da terceirização; votação vai ser hoje (22)

Trabalhadores querem retirar o projeto da pauta da Câmara

Atividades da semana da mulher reúne centenas de comerciárias no SEC Guaíba

STIMMME bate recorde de público na Festa do Dia da Mulher

Reforma da Previdência recebe 131 emendas válidas para serem analisadas

Deputados têm até hoje para apresentar emendas à reforma da Previdência

Justiça proíbe governo de veicular propaganda sobre reforma da Previdência

Produção industrial gaúcha cai 4,1% em janeiro, aponta IBGE

Agências da Caixa abrem 2 horas mais cedo para saques do FGTS

Direitos das mulheres trabalhadoras devem ser respeitados e ampliados

Chapa 2 “Mudança Já” vence eleições do Sindicato dos Vigilantes de NH

STIMMME comemora Dia da Mulher com festa em 18 de março

Plenária das Mulheres da Força reúne centenas de sindicalistas em São Paulo

Sindnapi promove ação alusiva ao Dia da Mulher

STIMMME participa de manifestações em Veranópolis contra reformas trabalhista e previdenciária

Cepromec-BG oferece três cursos em março

Trabalhadoras na luta por mais direitos sociais

Dirigentes participam da Semana de Prevenção das LER

Sindicato realiza atividades para homenagear as mulheres comerciárias de Guaíba

Mais notícias

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br