Notícias

Reforma Trabalhista 22/12/2016 16:56

Governo apresenta reforma trabalhista como projeto de lei

Inicialmente, governo editaria MP; proposta é anunciada em solenidade

O governo recuou nesta quinta-feira e decidiu que não fará a reforma trabalhista por meio de Medida Provisória. O presidente assinou nesta quinta-feira, em solenidade no Planalto, uma MP que institui o Programa de Seguro Emprego (PSE). As mudanças na legislação trabalhista serão encaminhas via projeto de lei ao Congresso.

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, disse que a proposta é a possível e que o "ótimo é inimigo do bom". Segundo ele, o essencial para empresas e trabalhadores constam do projeto.

— É um momento muito especial para o Brasil. Todos estamos unidos contra o desemprego — ressaltou o ministro, mencionando que as centrais estão pacificadas em torno da reforma.

O PSE terá validade por dois anos e não será definitivo, como foi cogitado inicialmente. Na prática, o governo está prorrogando, com outro nome, o Programa de Proteção ao Emprego (PPE), criado na gestão petista e que terminaria este ano. O novo formato será implementado numa medida provisória, assinada nesta quinta-feira pelo presidente Michel Temer.

O programa permite redução de jornada e de salário, com contrapartida da União. Na solenidade, Temer também assinou a MP que vai permitir a distribuição de parte do lucro do FGTS com os trabalhadores e, ainda, a MP que vai permitir o saque nas contas inativas do FGTS. O projeto de lei da reforma trabalhista terá pedido de urgência na tramitação no Congresso.

Para o presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGC), Ricardo Patah, a decisão do governo de enviar um projeto de lei ao Congresso é prudente porque uma MP não seria o instrumento adequando para tratar do tema.

— Havia um compromisso do governo de só encaminhar essa questão a partir de 2017 — disse o sindicalista, afirmando que a central está disposta a negociar a reforma trabalhista com o Congresso para gerar empregos e "cidadania".

Para o presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, o ideal seria o governo não definir, no projeto que altera a CLT, os itens passíveis de negociação entre as partes porque as pessoas são "maduras". No texto, foram listados 12 itens, nos quais o combinado entre empresas e sindicatos de trabalhadores, em acordos e convenções coletivas, poderão prevalecer sobre a legislação trabalhista.

Ele, no entanto, admitiu que a proposta representa um avanço porque a lei atual é engessada. Ele destacou que o projeto inova ao trazer para o debate questões modernas, como o trabalho remoto (fora da empresa), a divisão das férias em três períodos, com pagamento parcelado e a jornada, que poderá chegar a 12 horas diárias, no limite de 220 horas mensais, dentre outros.

— Estamos fechando o ano com chave de ouro — comemorou Skaf.

Já o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves (Juruna), destacou no discurso a presença dos sindicalistas no local de empresa, com estabilidade no emprego. Segundo ele, é uma medida importante para permitir de fato a negociação coletiva e reduzir conflitos.

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra, elogiou a proposta de reforma trabalhista. Ele destacou o fortalecimento da negociação coletiva e o fato de o trabalhador não sair prejudicado no processo.

— Quando e lei é mais clara é mais fácil interpretar. Achei fantástico que, em nenhum momento, o patrimônio do trabalhador vai ser reduzido - Vossa Excelência marcou um golaço — disse o ministro, se referindo ao presidente Temer.

O Globo


Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/25F

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Superar a crise e o desemprego foi desafio do ano para metalúrgicos de Gravataí

Sindec vai fiscalizar o comércio de Porto Alegre no último dia do ano

Salário mínimo será de R$ 937 a partir de janeiro

Prazo para o trabalhador sacar o abono salarial de 2014 nos bancos termina hoje

Empresas poderão reduzir salário e jornada de trabalho por até 2 anos

Para analistas, desemprego se mantém em 11,8%

Vendas em shoppings no Natal caíram 3%, diz associação

Verão altera horário do transporte público em Porto Alegre

Fiscalização de Natal garante descanso dos comerciários

Temer anuncia saque de contas inativas do FGTS

Entidades sindicais pedem que STF suspenda tramitação de reforma da Previdência

Centrais emitem nota de repúdio a proposta do governo de jornada móvel de trabalho

Senalba/RS celebra 50 anos de história

Clàudio Janta é diplomado para novo mandato de vereador de Porto Alegre

Mais brasileiros usam o 13º salário para pagar contas

Nota sobre o pacote de medidas econômicas

STIMMME encerra 2016 com sucesso da Festa Metalúrgica

Governo faz acordo e comissão da Previdência fica para 2017

10ª Conferência Bioma Pampa discute captação de investimos para Fronteira Oeste

10ª Edição do Bioma Pampa ocorre em São Gabriel

Fetracos encerra Ciclo de Debates com o tema “A Falácia do rombo da Previdência”

Ciclo de Debates: abertura reforça a importância do fortalecimento do movimento sindical

Força Sindical exige redução da idade mínima

IR: Receita libera consulta ao último lote; 771 mil na malha fina

Nota sobre a proposta de Reforma da Previdência

Mais notícias

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br