Notícias

Reforma Trabalhista 22/07/2016 11:44

Governo federal terá desafio de evitar prejuízos ao trabalhador em reforma

Especialistas entrevistados pelo DCI apontam que mudanças trabalhistas vislumbradas poderão reduzir custos para o setor privado, mas "flexibilização excessiva" prejudicaria empregados

A reforma das leis trabalhistas, que deve ser enviada ao Congresso até o final do ano, pode reduzir custos e melhorar a produtividade das empresas, mas "flexibilização excessiva" poderia prejudicar trabalhadores no País.

O reforço da negociação coletiva, um dos tópicos que deve constar no projeto do governo, valorizaria os termos acertados por empregadores e sindicatos. Dessa forma, o contrato ganharia força maior perante a lei.

"Seria uma maneira de tornar menos rígidos a jornada de trabalho e o tempo do intervalo para refeições, por exemplo", afirmou Claudinor Roberto Barbiero, coordenador da faculdade de direito do Mackenzie Campinas.

Segundo ele, o "grande antagonismo entre sindicatos e empregadores" impediria a supressão de direitos dos funcionários. Com a reforma, também seria possível adaptar os acordos à realidade das empresas de determinado setor, reduzindo custos e aumentando a produtividade.

"Se fosse necessária uma redução da jornada de trabalho, haveria uma diminuição proporcional dos salários pagos. É possível onerar menos o empregador sem prejudicar funcionários", disse ele.

Entretanto, a alteração na quantidade de horas trabalhadas poderia ferir cláusulas pétreas da Constituição, ponderou Otávio Pinto e Silva, professor na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com o especialista, muitos empresários esperam mudanças que permitam um aumento da jornada sem pagamento de horas extras. "Alguns querem, por exemplo, ampliar o tempo de trabalho estabelecido por lei de 44 para 48 horas semanais", aponta.

Silva afirmou que uma reforma sindical é "imprescindível" para o avanço das alterações trabalhistas. Para ele, o modelo atual não garante a representatividade dos trabalhadores.

"Precisamos de uma quantidade menor de sindicatos que seja mais forte e trabalhe com a associação voluntária dos funcionários. Se a forma atual prosseguir, os trabalhadores serão prejudicados caso a negociação coletiva ganhe força neste ano", avalia.

Terceirização

A polêmica continua quando o assunto é a terceirização da atividade-fim, que também pode aparecer entre os projetos do governo federal.

Para Barbiero, a mudança seria positiva. "Poderia levar, inclusive, a maior criação de vagas, já que reduziria encargos trabalhistas", disse. Estudos apontam que esses gastos mensais das empresas podem chegar a 80% dos salários dos empregados brasileiros.

Por outro lado, Silva defendeu que a proposta diminuiria o poder dos funcionários. "Se a atividade fim pudesse ser terceirizada, metalúrgicos poderiam ser representados por um sindicato de prestadores de serviço", exemplificou. "Isso levaria a uma precarização dos direitos atuais", continuou.

Antônio Carlos Alves dos Santos, professor de economia da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), afirmou que a ideia da reforma trabalhista é desregulamentar o mercado, facilitando contratações e, também, demissões.

"Temos uma rigidez muito grande que está tornando a lei algo impraticável. Ainda assim, existe uma linha muito tênue entre a melhora da legislação e a perda de direitos dos trabalhadores. Uma flexibilização excessiva das regras poderia prejudicar os funcionários", analisou o economista.

Os entrevistados ressaltaram que os efeitos das mudanças dependem de especificidades dos projetos que serão enviados pelo governo ao Congresso. Na terça-feira, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, afirmou que propostas devem ser encaminhadas ao Legislativo até o final deste ano.

Manutenção do PPE

Outro ponto abordado por Nogueira foi a manutenção do Programa de Proteção ao Emprego (PPE), com final previsto para 2017. Segundo o ministro, o governo vai buscar que a plataforma seja permanente.

"É algo positivo", avaliou Silva. "O PPE consegue atender as dificuldades dos empresários e tem como contrapartida a manutenção do emprego dos trabalhadores", entende.

DCI

Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/22i

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Desemprego sobe no 2º trimestre e já atinge 11,58 milhões de brasileiros

Lélio Falcão é empossado presidente do Conselho Municipal do Idoso

Desemprego fica quase estável com taxa de 10,3% em junho na RMPA

Centrais elaboram documento contra alterações nas leis trabalhistas

STIMMME amplia benefícios aos associados

Rodoviários de Porto Alegre comemoram o seu dia com grande confraternização

Aposentados e pensionistas do INSS receberão 50% do 13º em agosto

Ministro do Trabalho reforça compromisso com trabalhadores em Porto Alegre

Reforma trabalhista vai prestigiar a negociação coletiva

Calçadistas reelegem diretoria do Siticalte com 86% de aprovação

Em Porto Alegre, Centrais Sindicais protestam contra juros altos

Juros baixos: um sinal verde contra a crise!

Reunião estadual da Central reúne lideranças sindicais em POA

Intenção de consumo de famílias gaúchas em julho cai ao menor nível desde 2010

Sindec comemora 84 anos de luta pelos comerciários de Porto Alegre

Central firma convênio com Ftec Faculdades

Entidades sindicais assinam convênio educacional com a Ftec Faculdades

Projeto dos Postos de Saúde 24 horas é aprovado pela Câmara Municipal

Câmara aprova MP que libera FGTS como garantia a empréstimo consignado

Sindec-POA disponibiliza exame gratuito para mulheres

Centrais reafirmam “Compromisso pelo Desenvolvimento”

Sindicalistas gaúchos se reúnem com Ministro do Trabalho neste sábado

40 horas semanais: Centrais Sindicais intensificam campanha

Central cria grupo de trabalho para discutir Contribuição Assistencial

Comunicado de falecimento 11/7

Mais notícias

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br