Notícias

Juventude 19/02/2014 11:19

Jovem tem mais poder na classe C, diz estudo

Nas famílias com renda intermediária, os filhos são a fonte de informação e orientação de consumo para os pais.

Cursos superiores e profissionalizantes, academias de ginástica, notebooks, smartphones, automóveis. Esses são apenas alguns itens e serviços que os jovens da faixa de renda mais numerosa do Brasil, a classe C, estão ansiosos para consumir. Segundo o estudo “Faces da Classe Média”, divulgado nesta terça-feira pela Serasa Experian e pelo Data Popular, 19% da classe C (14,7 milhões de pessoas) é composta por jovens, com idade média de 22 anos, que gastaram R$ 230,8 bilhões no ano passado, principalmente com produtos relacionados à educação, tecnologia, beleza e entretenimento. O estudo avaliou o grupo com renda per capita de R$ 320 a R$ 1.120 mensais, correspondente a 108 milhões de brasileiros ou 54% da população do país.

O estudo batizou os integrantes desta faixa da classe C de “promissores”. Esses jovens ascenderam socialmente nos últimos anos e muitos fazem parte da primeira geração familiar a chegar ao ensino superior. Os jovens “promissores” são majoritariamente solteiros (95%), completaram o ensino médio (59%) e trabalham com carteira assinada (57%). Também estão conectados à internet (72%). Segundo Renato Meirelles, presidente do Data Popular, os “promissores” são os “formadores de opinião da nova classe média”. A familiaridade com a internet e os anos de estudo a mais tornam esses jovens fontes de informação para seus pais e suas opiniões são levadas em conta na hora da família escolher um produto ou serviço. A ânsia para consumir também pode causar alguns problemas: 51% desses jovens afirmam já terem passado por situações de descontrole financeiro.

Um pouco mais velhos, e donos de um poder aquisito maior, são os “batalhadores”, grupo que representa 39% da classe C (30,3 milhões), segundo o estudo. Os batalhadores têm por volta de 40 anos e desembolsaram R$ 388,9 bilhões em 2013. Entre eles, 49% possuem carteira assinada. A formalização do trabalho e o aumento real dos salários foram os responsáveis pela saída da pobreza. O emprego estável possibilitou a compra ou reforma da casa e o financiamento do carro da família. E o crédito permite aos batalhadores o acesso a eletrodomésticos como máquinas de lavar e televisores de tela plana.

Um quarto da classe C (20,5 milhões de pessoas) é composta pelos chamados “experientes”, homens e mulheres com idade média de 65 anos. Apesar de aposentados, muitos “experientes” optam por continuar trabalhando para complementar a renda familiar. A aposentadoria de um membro “experiente” representa, em muitos casos, a única fonte de renda fixa e o acesso mais barato e fácil ao crédito para muitas famílias. Segundo Meireles, algumas características dos “experientes”, como a memória dos tempos da hiperinflação e o fato de 65% deles já ter passado privação material, como fome, faz deles um grupo mais controlado, que tende a escolher produtos mais baratos. São também o grupo menos escolarizado da classe C: 31% deles não recebeu instrução. Em 2013, o consumo dos experientes foi de R$ 270,4 bilhões.

O último grupo apontado no estudo são os “empreendedores”, a elite da classe C. Mais escolarizados e com maior renda per capita, os “empreendedores” somam 16% dessa faixa de renda (11,6 milhões) e são os que mais gastam com educação, tecnologia e viagens ao exterior. Com hábitos mais parecidos com os dos brasileiros mais ricos, a classe AB, os “empreendedores” gastaram R$ 276 bilhões no ano passado. O investimento em um negócio próprio, que garanta liberdade e também um trabalho mais recompensador e alinhado à vocação pessoal, foi o principal responsável pela ascensão social do grupo.

Para traçar os quatro perfis apresentados pelo estudo “Faces da Classe Média”, três mil pessoas foram entrevistadas pessoalmente e foram analisadas as informações de mais de 800 mil CPFs cadastrados no sistema Serasa Expiran. Nas entrevistas pessoais tiveram destaque a relação com o consumo, a família e o trabalho e a visão de mundo.

Época

Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/1et

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs   juventude   consumo   classe C

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Fiscalização do Sindec-POA fará plantão no Carnaval

Comunicamos o falecimento do Sr. Claudio Correa da Silva

Revisão de pensão pode ser pedida até 10 anos da concessão

Central pede o veto de lei que proíbe uso de máscaras em protestos na Capital

Central e Instituto Girassol entregam doações de agasalhos

Brasil cresceu 2,3% em 2013

Sindimercosul entrega abaixo assinado em apoio a manutenção da BR 290 e nova ponte sobre o Rio Ibicui

Força Sindical se reúne com presidentes da Câmara e do Senado

Secretário da Juventude participa de Seminário sobre Jovens Negros e o Mercado de Trabalho

Desemprego calculado pelo Dieese sobe para 9,5% em janeiro

Receita Federal libera programa para fazer declaração do Imposto de Renda

Ensino técnico federal cresce 110% em três anos e atinge 550 mil matrículas

Governo bate recorde de arrecadação em janeiro

Governo destina R$ 21 bilhões para financiar a agricultura familiar

Saem regras para declaração do Imposto de Renda 2014

Força Sindical-RS manifesta apoio aos profissionais da saúde

Governo faz corte de R$ 44 bilhões no Orçamento de 2014

Em um ano, rendimento médio do trabalhador tem ganho de 3,6%

Sindicato garante aumento real, enterra banco de horas e derrota golpistas

Força Sindical quer fim do PL da manifestação

Comerciários da Fetracos realizam reunião estadual

Força Sindical discute em Brasília a Lei Antimanifestação e Pauta Trabalhista

Classe média brasileira é o 18º maior 'país' do mundo em consumo

Corte de energia no país triplica de 2013 para 2014

Justiça determina reajuste e fim do banco de horas para os rodoviários

Mais notícias

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br