Notícias

Educação 05/03/2014 11:38

MEC muda algumas regras do ProUni e do Fies

No ProUni, a isenção fiscal passa a ser feita com base nas vagas preenchidas e não mais nas vagas ofertadas, como era até o fim do ano passado.

O Ministério da Educação (MEC) mudou este ano algumas regras do Programa Universidade para Todos (ProUni) e do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). No Fies, o contrato passa a ser casado ao Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo (Fgeduc), antes opcional. No ProUni, a isenção fiscal passa a ser feita com base nas vagas preenchidas e não mais nas vagas ofertadas, como era até o fim do ano passado.

O Fgeduc existe desde 2009. O fundo cobre a partir de 80% dos contratos não cumpridos. Para isso, a mantenedora paga uma taxa de 5,63% sobre o total do financiamento mensalmente, ou 6,25% da parcela das operações de financiamento. Sem o Fgeduc, caso o estudante ficasse inadimplente, a instituição pagava 15% do valor.

Para os estudantes, a adesão ao Fgeduc faz com que seja dispensada a necessidade de fiador, o que facilita a contratação do Fies. Para as instituições, os custos aumentam, mas segundo entidades do setor, os dois programas ainda são atrativos. Procurado, o Tesouro disse que não comentaria o impacto nas contas públicas.

O diretor de Gestão de Fundos e Benefícios do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Antônio Corrêa Neto, disse que cerca da metade das instituições já tinha aderido ao Fgeduc. "Com a mudança, quase a totalidade das instituições já fez adesão ao Fgeduc e permaneceu no programa. O nosso objetivo é democratizar ainda mais o acesso à educação superior na medida em que a adesão favorece os estudantes de baixa renda, que têm dificuldade de conseguir um  fiador".

Em encontro no mês passado, as instituições particulares discutiram as mudanças. Segundo o diretor executivo do Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior do Estado de São Paulo (Semesp), Rodrigo Capelato, a participação não deve diminuir.

O cenário atual é o seguinte: em média, 17% do total de alunos nas particulares contratam o Fies, e o fundo representa em torno de 25% da receita das instituições. Já o ProUni gera uma economia, em média, de cerca de 10% das despesas das instituições. O impacto calculado por Capelato deve ser uma redução de 2% ou 3% dessa economia, que é o percentual das vagas não preenchidas.

O professor de finanças públicas da Universidade de Brasília (UnB) José Matias-Pereira explica que as alterações do Fies podem ter sido feitas para facilitar o cumprimento da meta de superávit primário. "O governo está desenvolvendo ações no sentido de viabilizar o superávit primário e quando mexe nesses fundos, certamente há um impacto positivo", explica.

"Por trás desse financiamento existe um risco, o Estado aparece como avalista. Se não houver pagamento, o Estado tem que honrar o compromisso. O que o governo está tentando é retirar da responsabilidade do Tesouro determinadas rubricas", disse.

Capelato complementa dizendo que as mudanças vão possibilitar o pedido de mais créditos para o Fies. De acordo com ele, a promessa para este ano é R$ 3 bilhões em novos financiamentos. Os beneficiados devem saltar para 1,6 milhão até o fim do ano.

Agência Brasil

Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/1fD

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Revertida demissão por justa causa em caso de assédio em Gravataí

Senado aprova projeto que dificulta fechamento de escolas rurais

Dilma anuncia construção da nova ponte do Guaíba

MEC divulga primeira chamada do Sisutec

Rombo da Previdência foi de R$ 2,5 bilhões em fevereiro

Metalúrgicos de Gravataí iniciam negociações na campanha salarial de 2014 para GM

Plenário do Supremo vai julgar ação sobre o índice de correção do FGTS

Renner terá de indenizar empregado demitido por namorar colega de trabalho

Volta a valer o salário mínimo regional para comerciários

Central integra reunião do Fórum Democrático que define temas de debate para 2014

Projeto do Parque do Gasômetro será votado na quarta-feira

Sindec/POA forma mais uma turma de cipeiros

Carta de Florianópolis - Leia o documento elaborado durante o seminário sobre o custeio sindical

Evento sobre custeio sindical apresenta palestras com juristas da área trabalhista

Encontro discute organização, autonomia e independência financeira dos sindicatos

A constitucionalidade da Contribuição Assistencial é tema central de palestra

Sindicalistas discutem custeio sindical durante seminário em Florianópolis

Força Sindical promove seminário sobre o custeio dos sindicatos

Investir em geração de emprego é desafio para país em desenvolvimento

Ano terá baixo investimento produtivo na indústria, diz FGV

Inscrições para Conferência Mundial de Juventude estão abertas até 24 de março

Cai intenção de consumo das famílias

Sindec-POA promove curso de CIPA na Alpha Química

BC tenta impedir mudança de índice de correção do FGTS

Estado é o terceiro em geração de postos formais em fevereiro

Mais notícias

Twitter

Jornais

Vídeos

Dia Nacional de Mobilização e Luta - 30 de agosto

A Força Sindical-RS mobilizou trabalhadores e dirigentes sindicais para o Dia Nacional de Mobilização e Luta para reivindicar o atendimento a Pauta Trabalhista pelo governo federal.

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

6º Seminário Faixa de Fronteira Fórum Social Mundial Temático 2014 CPI da Telefonia Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228-0098
contato@fsindical-rs.org.br