Notícias

Desemprego 28/12/2016 12:19

Para analistas, desemprego se mantém em 11,8%

Para o saldo de vagas formais referente também a novembro, a média de 15 estimativas aponta fechamento de 69,3 mil postos de trabalho com carteira assinada

A procura cada vez mais fraca dos brasileiros por recolocação no mercado de trabalho ajudará a manter da taxa de desemprego estável entre os três meses encerrados em outubro e o trimestre até novembro, em 11,8%.

 

Essa é a média de 20 estimativas colhidas pelo Valor Data entre consultorias e instituições financeiras para a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, que será divulgada amanhã pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As projeções variam de desemprego de 11,6% a 11,9% da força de trabalho.

 

Para o saldo de vagas formais referente também a novembro, a média de 15 estimativas aponta fechamento de 69,3 mil postos de trabalho com carteira assinada. Os números projetados para o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do período, ainda sem data de divulgação definida, vão de corte líquido de 34,3 mil a redução de 98 mil vagas.

 

A composição da taxa de desemprego em novembro deve ser bastante parecida com a observada em setembro e outubro - um crescimento bastante modesto da força de trabalho, desestimulada a procurar emprego pelo prolongamento da recessão, e contração forte da população ocupada, afirma a economista Sarah Bretones, da MCM Consultores.

 

Nos últimos meses, a retração do emprego em categorias mais precárias, que até então vinham sentindo menos o efeito da crise, ela afirma, tem proporcionado impacto não apenas sobre a ocupação - que encolhe a taxas recordes, acima de 2% na comparação com o mesmo período do ano anterior -, mas também sobre os rendimentos.

 

Com a redução expressiva da ocupação em segmentos de remuneração mais baixa, como conta própria, o recuo médio dos salários vem desacelerando, de um ritmo de quase 3,5% ao mês no primeiro semestre para 1,7%, em média, em setembro e outubro. "O efeito da precarização sobre a renda praticamente acabou", completa a economista da MCM. A estimativa da consultoria para o desemprego é de 11,8%, 2,9 pontos percentuais acima da taxa registrada no trimestre encerrado em novembro de 2015.

 

A projeção de desemprego da Tendências Consultoria (11,9%), por sua vez, contempla queda 2,6% da população ocupada - mesmo percentual apurado em outubro - e aumento de 0,5% da força de trabalho - também próximo da divulgação anterior, 0,6%. Se confirmada a expectativa, em termos dessazonalizados a taxa de desocupação subiria de 12,2% no trimestre encerrado em outubro para 12,4%.

 

Dessazonalizada, a projeção de desemprego de 11,8% do Santander representa uma taxa de 12,3%, ante 12,1% nos três meses até outubro. A equipe do banco ressalta que, devido à expectativa de recuperação mais lenta da atividade do que o antecipado até meados de 2016, a taxa de desemprego continuará subindo no país pelo menos até o fim do segundo trimestre de 2017, ainda que de forma menos intensa.

 

"Prevemos que a taxa atingirá o pico ao final do segundo trimestre, em torno de 13%, na série com ajuste sazonal, e, a partir de então, apresentará uma trajetória de queda bastante lenta", pondera em relatório. Ainda conforme as estimativas do Santander, o desemprego médio passará de 8,3% em 2015 para 11,3% neste ano (a média colhida pelo Valor Data está em 11,4%) e para 12,7% em 2017.

 

Para o Caged, a média de 69,3 mil cortes de vagas esperada para o dado de novembro é quase metade do saldo negativo observado no mesmo período do ano passado, 130,6 mil. Entre as mais otimistas, a estimativa da LCA Consultores, fechamento 36,2 mil postos, prevê demissões líquidas na indústria, na construção, nos serviços e na agropecuária, ainda que em menor magnitude do que no mesmo intervalo do ano passado.

 

A indústria perderia 33,2 mil funcionários, contra 80,2 mil em novembro de 2015, a construção, 37,2 mil (-55,6 mil em novembro de 2015) e os serviços, 14,7 mil (-25,5 mil). Para o comércio, é previsto saldo positivo de 70,3 mil empregos, mais do que os 52,3 mil registrado em igual mês de 2015.

Valor Econômico

Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/25K

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Superar a crise e o desemprego foi desafio do ano para metalúrgicos de Gravataí

Sindec vai fiscalizar o comércio de Porto Alegre no último dia do ano

Salário mínimo será de R$ 937 a partir de janeiro

Prazo para o trabalhador sacar o abono salarial de 2014 nos bancos termina hoje

Empresas poderão reduzir salário e jornada de trabalho por até 2 anos

Vendas em shoppings no Natal caíram 3%, diz associação

Verão altera horário do transporte público em Porto Alegre

Fiscalização de Natal garante descanso dos comerciários

Governo apresenta reforma trabalhista como projeto de lei

Temer anuncia saque de contas inativas do FGTS

Entidades sindicais pedem que STF suspenda tramitação de reforma da Previdência

Centrais emitem nota de repúdio a proposta do governo de jornada móvel de trabalho

Senalba/RS celebra 50 anos de história

Clàudio Janta é diplomado para novo mandato de vereador de Porto Alegre

Mais brasileiros usam o 13º salário para pagar contas

Nota sobre o pacote de medidas econômicas

STIMMME encerra 2016 com sucesso da Festa Metalúrgica

Governo faz acordo e comissão da Previdência fica para 2017

10ª Conferência Bioma Pampa discute captação de investimos para Fronteira Oeste

10ª Edição do Bioma Pampa ocorre em São Gabriel

Fetracos encerra Ciclo de Debates com o tema “A Falácia do rombo da Previdência”

Ciclo de Debates: abertura reforça a importância do fortalecimento do movimento sindical

Força Sindical exige redução da idade mínima

IR: Receita libera consulta ao último lote; 771 mil na malha fina

Nota sobre a proposta de Reforma da Previdência

Mais notícias

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br