Notícias

Juventude 21/10/2013 17:14

Para OCDE, mercado de trabalho brasileiro é ruim para os jovens

A entidade vai propor uma série de medidas ao governo para estimular a transição entre escola e trabalho.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) apresentará na terça-feira em Brasília um diagnóstico pouco otimista do mercado de trabalho dos jovens no Brasil a partir de comparação internacional, no primeiro relatório desse tipo que faz abordando economias emergentes. A entidade vai propor uma série de medidas ao governo para estimular a transição entre escola e trabalho, incluindo redução dos custos para as empresas contratarem, estabelecimento de salário mínimo para jovens e abrandamento de regras sobre uso de trabalho temporário.

Conforme o Valor apurou, a OCDE observa que, apesar da queda continuada do desemprego no Brasil, os jovens no país enfrentam dificuldades significativas no mercado de trabalho, levando em conta comparações internacionais. A entidade calcula ser três vezes mais provável que um jovem brasileiro esteja desempregado do que um adulto, a proporção que não está nem empregada nem recebendo educação ou treinamento é mais alta dos que na média dos países membros da OCDE (desenvolvidos); a qualidade dos empregos dos jovens costuma ser baixa no país; a rotatividade é alta: e fortes desigualdades persistem em termos de gênero, geografia e raça.

"Com uma acentuada desaceleração da atividade econômica no Brasil nos últimos dois anos, esses desafios devem crescer em importância", avalia a OCDE, no estudo. Ela reconhece que o Brasil tem feito esforços importantes e "louváveis" para melhorar o acesso a educação, treinamento e qualidade, com grandes aumentos em financiamentos, alocação mais equitativa de recursos para atrair melhores professores e mais incentivos para os jovens frequentarem a escola.

Apesar desse "progresso significativo", a entidade julga que a situação continua a ser insuficiente para que os jovens tenham um bom começo no mercado de trabalho. Do lado da oferta, estima que gastos em educação no Brasil, como proporção do PIB, permanecem baixos para padrões internacionais. Elogia a recente decisão de alocar grande parcela de royalties do petróleo para educação, mas alerta que será preciso garantir melhor distribuição do dinheiro geograficamente e em diferentes níveis educacionais, além de maior eficiência nos gastos.

Para a OCDE, a qualidade da educação no Brasil permanece "importante razão de preocupação", o currículo carece de relevância para muitos alunos em parte por causa da baixa proporção da formação profissional, e destaca que o numero de repetências é alto no país.

O estudo elogia programas destinados a jovens, como o ProJovem, mas destaca que no Brasil essas iniciativas tendem a estar dispersas e mal-coordenadas e poucos conhecem sua existência.

Como resposta a essa situação, a OCDE apresentará em Brasília três recomendações: primeiro, aumentar os gastos em especial para reduzir a taxa de evasão escolar e garantir estágios estruturados. Segundo, estimular empresas a contratar jovens, por exemplo, com fixação de salário mínimo para esse segmento. E terceiro, criar uma "janela única", para oferecer assistência para os jovens obterem assistência adicional para começar a trabalhar.

Valor

Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/1ag

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Comerciários recebem homenagem na segunda-feira, dia 4

Trabalhadores rejeitam acordo do PLR em assembleia realizada pelo Sindec/POA

Sindec/POA dá a largada para a Campanha Salarial 2013

OIT diz que falta igualdade de direitos para os trabalhadores domésticos no mundo

Força entra no STF contra mudanças nas regras do seguro-desemprego

Força Sindical-RS participa de debates da IV Conferência Nacional de Meio Ambiente

R$ 143 bilhões devem ser injetados na economia por causa do 13º salário

Miguel Torres assume a presidência da Força Sindical nacional

Desemprego no país sobe em setembro e fica em 5,4%, diz IBGE

SEC/Guaíba participa do Outubro Rosa

Central participa de audiência sobre o piso regional com Governador Tarso Genro

Vila Jardim recebe novamente festa de Dia das Crianças

Fiscalização do Sindec-POA entra novamente em ação

Sindnapi conquista benefício em parceria com a Celulose Riograndense

Federação realiza reunião ordinária com sindicatos filiados

STIMMME comemora Festa da Criança com mais de 500 pessoas

Prestadoras de serviços de telecomunicações terão de criar conselhos de usuários

Central participa do lançamento da Frente Parlamentar gaúcha em defesa dos comerciários

Janta palestra em evento da Federação dos Vigilantes do RS

Diretores da Central destacam luta dos vigilantes durante Congresso Estadual

Sindec-POA reivindica cumprimento de lei que beneficia os comerciários

Presidente da central integra debates no XIX Congresso Estadual dos Trabalhadores em Segurança Privada

Ioran Etchechury vence mais uma competição em Porto Alegre

Receita Federal paga quinto lote de restituições do Imposto de Renda nesta terça-feira

Fiscalização do Sindec-POA atua em defesa da categoria

Mais notícias

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br