Notícias

Reforma da Previdência 19/12/2017 14:08

Proposta para Previdência afetará 1,16 milhão no campo

Para minimizar esse impacto, o governo foca no discurso de que mais de 90% dos trabalhadores estão preservados, pois são pequenos produtores rurais que se aposentaram como segurado especial

A flexibilização na proposta da reforma da Previdência para excluir os trabalhadores rurais, uma das concessões à deputados da base aliada para tentar aprovar o projeto, ainda afetará pelo menos 1,16 milhão de pessoas que atuavam no campo com carteira assinada e terão que laborar por pelo menos cinco anos a mais para se aposentarem, segundo dados de 2016 do Ministério do Trabalho e Emprego.

Para minimizar esse impacto, o governo foca no discurso de que mais de 90% dos trabalhadores estão preservados, pois são pequenos produtores rurais que se aposentaram como segurado especial, cuja regra de aposentadoria não será alterada - ajuste feita pelo governo para ampliar o apoio à proposta.

A crítica de entidades, como Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), é que esses trabalhadores sofrem com a elevada rotatividade do setor e exigir que trabalhem até os 62 anos no caso da mulher e 65 anos no caso dos homens com 15 anos de contribuição, como será estabelecido para os trabalhadores urbanos, vai dificultar e até mesmo impedir o acesso a aposentadoria desse público.

Em entrevista ao Valor, o subsecretário de Regime Geral de Previdência Social, Benedito Adalberto Brunca, ressalta que 90% do total (6,432 milhões) de aposentadorias ativas no campo, equivalente a 5,7 milhões, são de segurados especiais, ou seja, pequeno produtor rural. Esse percentual pode chegar a 95%, caso sejam consideradas no cálculo as pessoas que se autodeclaram como desempregadas, porém com tempo de contribuição suficiente para solicitar o benefício. Isso demonstra, na avaliação de Brunca, que a maior parte dos trabalhadores rurais está protegida com a nova versão da reforma da Previdência.

Pelo texto ajustado, que o governo quer tentar votar em fevereiro, o segurado especial continuará se aposentando aos 60 anos de idade, se homem, e 55 anos, se mulher, com 15 anos de contribuição, podendo ser feita com base em um percentual sobre a comercialização. Já os trabalhadores rurais com carteira assinada terão que se aposentar com 65 anos homens e 62 mulheres e comprovar 15 anos de contribuição, assim como o trabalhador urbano. Apesar das críticas, Brunca afirmou que a unificação do sistema de previdência do trabalhador rural e urbano já estava prevista na Constituição.

Na avaliação da Contag, o governo, ao propor alterar o texto constitucional (art. 201, § 7º, inciso II), suprime a expressão "trabalhadores rurais", o que, na avaliação da entidade, significa que não haverá mais a garantia na redução da idade de aposentadoria, de forma equivalente, para os assalariados rurais e agricultores familiares.

Para o governo, segundo a Contag, os assalariados rurais (cortadores de cana, diaristas comumente denominados boias-frias) deverão se aposentar com a mesma idade dos trabalhadores urbanos. "Esses trabalhadores, que já são excluídos do acesso à aposentadoria devido ao trabalho informal, com a elevação da idade, terão ainda mais dificuldades de se aposentar devido ao trabalho penoso que exercem diuturnamente debaixo de sol e chuva, que lhes esgota prematuramente a capacidade laboral", afirmou a entidade.

Relator da reforma, o deputado Arthur Maia (PPS-BA) promovia alterações no texto para garantir a manutenção da expressão "trabalhadores rurais" na Constituição, mas apenas para os pequenos agricultores familiares. "Não vejo diferença do trabalhador do agronegócio, com carteira assinada, para o trabalhador urbano. Muitos urbanos têm condições de trabalho muito piores que um motorista de colheitadeira, por exemplo", disse.

Segundo Brunca, são conhecidas as dificuldades existentes no âmbito rural com relação a formalização desses contratos. "No entanto, trata-se de tema complexo e que não diz respeito somente às políticas de previdência, devendo-se estimular mecanismos de formalização dessas contratações", defendeu o subsecretário.

Além disso, a entidade critica a elevação da idade, tanto dos agricultores familiares quanto dos assalariados rurais, mediante regulação em lei ordinária sempre que a expectativa de sobrevida da população aumentar em um número inteiro. "Ora, nem sempre o aumento na expectativa de vida significa manutenção da plena capacidade de trabalho", destacou a entidade em nota.

Brunca disse que a unificação da Previdência Rural com a Previdência Urbana foi promovida pela Constituição de 1988. Na ocasião foram criadas regras transitória, visando estabelecer gradualmente a necessidade de comprovação do tempo de contribuição (e não mais de atividade rural). Ou, seja essa equiparação de tratamento já havia sido prevista. Além disso, conforme o subsecretário, mesmo antes da PEC 287, a exigência de 15 anos de contribuição já existia, junto com a obrigação de chegar a 60 anos de idade, se homem, e 55, se mulher. "No entanto, a Lei 8.213/1991, estabeleceu uma norma transitória para que o empregado rural e o contribuinte individual (autônomo) rural pudessem se adaptar a mudança no plano de custeio", explicou.

Valor Econômico

Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/29j

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br