Notícias

INSS 17/01/2017 11:04

Reajuste do INSS para quem ganha acima do piso é maior que mínimo

O reajuste dos benefícios acima do piso tem como base a variação do INPC

Pela primeira vez em 20 anos, aposentados e pensionistas que recebem benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) acima do piso terão reajuste maior (6,58%) do que aqueles que ganham o equivalente a um salário mínimo (6,48%). A correção foi oficializada ontem em portaria do Ministério da Fazenda publicada no Diário Oficial da União.

O reajuste dos benefícios acima do piso tem como base a variação do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do ano anterior, divulgado na semana passada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Já a correção do menor valor, equivalente ao salário mínimo, leva em conta o INPC mais o PIB (Produto Interno Bruto) de dois anos atrás. Neste caso, de 2015, quando a geração de riquezas do País encerrou negativa, em 3,8%, devido à recessão econômica.

Por este motivo, pela primeira vez de 1997 o reajuste dos aposentados e pensionistas superou o do salário mínimo e, portanto, o do piso do INSS, que atualizado em 6,48%.

As perdas não foram maiores, conforme explica o coordenador do curso de administração do Instituto Mauá de Tecnologia, Ricardo Balistiero, porque a Constituição Brasileira prevê que a fórmula não pode considerar o PIB negativo. “Quando PIB fecha em retração, a base de cálculo é zero, porque senão o beneficiário acaba tendo o valor de sua renda diminuído.”

Além disso, o aumento do salário mínimo é aprovado no ano anterior, com base em perspectiva do fechamento da inflação, divulgada apenas no começo do ano seguinte, o que pode dar alguma divergência, como ocorreu; o INPC atingiu 6,58%, enquanto a projeção era de 6,48%.

É válido ressaltar que o INPC passou a ser adotado como índice de correção dos benefícios a partir de 2003. Antes, diversos indicadores foram utilizados, a exemplo do IPC-r (índice de Preços ao Consumidor Real), utilizado entre 1994 e 1996, e o IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna), de 1997 até 2000. Da última vez em que o reajuste para quem ganha acima do piso foi maior, o percentual era de 7,76%, enquanto que o salário mínimo havia sido atualizado em 7,14%.

IMPACTO - Na prática, os percentuais de correção não diferem muito, já que, por exemplo, um segurado do INSS que receba R$ 1.000 terá aumento de R$ 65,80. Para quem ganha um salário mínimo o incremento foi de R$ 57, com o piso passando de R$ 880 para R$ 937.

Aos que recebem o teto o montante pago, que era de R$ 5.189,82, será acrescido em R$ 341,49, para R$ 5.531,31.

Na média, os 429.511 aposentados e pensionistas do Grande ABC ganhavam, até o ano passado, R$ 1.700. Agora, o montante sobe para R$ 1.811,86, alta de R$ 111,86.

Na avaliação do especialista em Direito Previdenciário João Badari, do escritório Aith, Badari e Luchin Sociedade de Advogados, a correção é ilusória. “Na prática, ela não acompanha a inflação real (em que tudo sobe mais do que o INPC), mas ainda é um avanço, apesar de pequeno, porque pelo menos o idoso não perde o poder de compra”.

Para o diretor de políticas sociais da Associação dos Aposentados e Pensionistas do Grande ABC, Luís Antonio Ferreira Rodrigues, o reajuste também é insuficiente. “É incompatível. Não muda nada para a gente. Infelizmente estamos na mesma. O poder aquisitivo está menor, enquanto isso, os preços só aumentam, especialmente os dos medicamentos e planos de saúde”.

Em 2016, a correção dos benefícios do INSS foi maior, já que o INPC encerrou em 11,28% em 2015, e o piso foi corrigido em 11,68%.

Diário fo Grande ABC

Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/25d

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Ministro do Trabalho cria grupo de estudo sobre modernização da legislação trabalhista

Após acidente, empregado tem estabilidade e benefício

Kits Escolares do Stimmme ajudam famílias de trabalhadores

Ministério do Trabalho entrega certidão de registro sindical para entidades gaúchas

Reformas Trabalhista e Previdenciária foram debatidas no "Mundo do Trabalho"

População Idosa é tema de debate no segundo dia de Fórum

Fórum Social Mundial debate inclusão social e autonomia das pessoas com deficiência

Mundo do Trabalho:Centrais vão debater reforma trabalhista e previdenciária durante Fórum Social

Centrais decidem realizar Dia Nacional de Paralisações por mudanças na reforma da Previdência

Trabalhadores querem tempo menor para aposentadoria

Novas faixas de descontos do INSS nos salários

Nascidos em janeiro e fevereiro terão acesso ao abono salarial nesta quinta (19)

Seguro-desemprego será pago de forma escalonada a partir desta terça

Trabalhadores da GM em Gravataí vão receber segunda parcela do PPR 2016

STIMMME entrega KIT Escolar para associados

Ministro anuncia que piso salarial de professores será de R$ 2.298,80 em 2017

NOTA TAXA SELIC - Acertou o remédio, mas errou na dose

Inflação para os que ganham menos sobe mais e fecha 2016 acima do teto

INSS prevê corte de R$ 1,45 bilhão com benefícios cancelados no RS

Novidade pode liberar crédito para um milhão de gaúchos

Previsão do mercado para a inflação em 2017 cai para 4,81%

Declaração do Imposto de Renda pode ser entregue a partir de 2 de março

Reforma previdenciária dificulta acesso à aposentadoria especial

Tabela do IR está defasada em 83% desde 1996, diz sindicato

Clàudio Janta é reempossado vereador e integra mesa diretora da Câmara

Mais notícias

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br