Notícias

Consumo 14/09/2015 16:36

Varejo busca retomada com Dia das Crianças

Estratégia dos lojistas para atrair clientes é apostar em bom atendimento, promoções e ofertas de parcelamento.

Principal data para o segmento de brinquedos, o Dia das Crianças deve ajudar a recuperar o cenário de queda nas vendas registrado pelo comércio no primeiro semestre deste ano. A expectativa de alguns lojistas é de crescimento real equivalente ao que ocorreu no mesmo período em 2014 (em torno de 1,5%). "A ideia é trabalhar buscando de todas as formas uma estabilidade, porque certamente o ticket médio será inferior ao do ano passado (que ficou em R$ 86,00)", adianta o presidente da Associação Gaúcha para o Desenvolvimento do Varejo (AGV), Vilson Noer. A entidade está finalizando uma pesquisa junto aos consumidores - que deve ser divulgada nos próximos dias - para clarear a perspectiva do setor.

"Estamos mobilizados, recebendo mercadorias, mas preocupados com excesso de estoque, pois não tem como reverter o que foi encomendado e o movimento diminuiu muito (12% nas lojas de rua e 20% nas de shopping) nos últimos meses, em função da crise", admite a supervisora da rede de lojas Del Turista, Beatriz Dias. Segundo ela, o câmbio não chegou a afetar os preços dos importados, porque os pedidos foram feitos no início do ano. "Até o Natal, garantimos, porque já está tudo encomendado, mas, a partir de novembro, o preço do dólar pode vir a ser um problema, até porque o mix de produtos dos fornecedores está mais enxuto", considera Beatriz, se referindo às compras de importados que ainda devem ser feitas para o primeiro semestre de 2016. Para o Dia das Crianças, a gestora aposta em produtos nacionais, como os fabricados pela Estrela, que tem, entre os destaques, uma linha de licenciados bastante desejada pelos pequenos.

Nas rede Lojas França, a aposta são os lançamentos das bonecas Frozen e Show da Luna, ambas da Estrela, mas também incluem importados, como carrinhos Hot Wheels, da Mattel, e os heróis da multinacional Hasbro. De acordo com a gerente da unidade localizada no Shopping Total, Fernanda Barcellos, embora o movimento de clientes tenha "caído muito" no primeiro semestre, a rede França estima crescer 20% nas vendas do Dia das Crianças, a exemplo do ano passado. "Esta data representa 40% do nosso faturamento, temos esperança de vender bem e recuperar o desempenho, que enfraqueceu pela queda da demanda nos últimos meses."

O estoque da rede para a data ainda está sendo preparado, com as compras feitas "aos poucos". Fernanda destaca que as encomendas foram reduzidas em 40% frente a 2014. "Diminuímos o mix de importados e de grandes marcas, e também o volume de itens encomendados." Para atrair os consumidores, a estratégia será aumentar a possibilidade de parcelamento para até 10 vezes sem juros, além de caprichar no atendimento e realizar promoções, afirma a gerente da França. Na Del Turista, a mesma receita deve garantir um Dia das Crianças mais feliz para o caixa da empresa. "Estamos apostando nos produtos nacionais, justamente para ofertar preços, pois se consegue uma diferença de cerca de 15% a menos", calcula Beatriz.

Noer, da AGV, concorda que a saída para os comerciantes de brinquedos será atrair os consumidores com promoções e parcelamentos, sem descuidar do atendimento. Proprietária da rede Estrela Franquias (das lojas Caverna do Dino, de enxoval de bebê e roupas infantis), Fabiana Estrela destaca a importância de treinar as equipes para estarem alinhadas ao desejo dos clientes. "É fundamental entender quais produtos são demandados, além de cuidar da exposição dos itens na loja, para facilitar o processo de compra, e jamais deixar de fazer o pacote dos presentes", ensina ela, que é diretora da Associação Brasileira de Franchising. "O cliente quer sair com o pacote de presente pronto, isso mostra um cuidado do lojista e faz muita diferença", ressalta.

Fabricantes de brinquedos projetam expansão de 15%

Em todo o País, as vendas da indústria para o varejo que cobrirão a demanda do Dia das Crianças devem inflar em 15%, conforme estimativa do presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), Synésio Batista da Costa. Somente para este período, foi encomendado 35% de todo o volume do ano, em produtos para o segmento, afirma o dirigente. "Estamos bastante desconectados da crise, porque não há como deixar de atender ao pedido de uma criança", considera Costa, afirmando que este é o momento do segmento crescer.

O presidente da Abrinq destaca que a alta do dólar devolveu a competitividade à indústria nacional. Ele afirma que, nos últimos anos, os fabricantes brasileiros têm ganhado mercado, passando de 25% de participação das vendas do setor, em 2005, para 44% no início de 2015. "Estamos conseguindo quase independência de marcas e licenciamentos internacionais (pois também não dá para ficar isento), mas o gosto e cultura por personagens nacionais vêm aumentando e fomentado produtos nesta linha", explica. O mercado brasileiro de brinquedo deve movimentar, este ano, perto de R$ 10 bilhões no varejo, e as vendas da Semana da Criança devem chegar a R$ 3,7 bilhões em todo o País, calcula o dirigente da Abrinq.

"O Dia das Crianças, de forma geral, é uma época boa de vendas", afirma a proprietária da rede Estrela Franquias, Fabiana Estrela. "Algumas pessoas até compram o presente de Natal junto", completa a empresária, que considera que, apesar de todo o cenário econômico, os consumidores estão "um pouquinho" mais otimistas. "A gente fica na dúvida do que irá acontecer, mas ao menos o final de ano dá uma sensação positiva", emenda Fabiana, que prevê crescimento de 15% para a rede de mais de 45 lojas. De acordo com o dirigente da Abrinq, uma das razões do bom desempenho da indústria de brinquedos no Brasil tem sido o Programa de Integração Produtiva com Fabricantes do setor no Mercosul, que, entre outras metas, busca estimular o desenvolvimento de fornecedores regionais.

Segundo a AGV, os brinquedos têm participação muito forte no varejo na semana do Dia das Crianças, representando de 30% a 40% do que é vendido em todo o ano. "Ainda existe o problema dos importados, que têm participação maior nas prateleiras de produtos, é um freio para o lojista se adequar à realidade atual", comenta o presidente da entidade, Vilson Noer.

Jornal do Comércio

Link alternativo: http://fsindical-rs.org.br/n/1v6

Versão desta notícia em PDF




Tags:    força sindical   rs

Enviar notícia para amigo(a)

Imagem de verificação

Notícias relacionadas

Facebook

Notícias deste período

Câmara instala amanhã Comissão Especial que vai elaborar proposta de custo da atividade sindical

Centrais se unem em repúdio a fusão do Ministério do Trabalho com Previdência

STIMMME revela talentos artísticos em festival musical

FGTS de doméstico começa a vigorar a partir desta quinta, dia 1º de outubro

Metalúrgicos da GM voltam ao trabalho, mas seguem preocupados com a crise econômica

“Diálogo com o MTE” marca o encerramento do Ciclo de Debates

Desafios do sindicalismo é tema abordado no Ciclo de Debates

Financiamento da atividade sindical: Câmara dos deputados instala comissão especial sobre financiamento sindical

Dirigentes discutem sobre autorregulamentação do movimento sindical

Movimento Sindical Brasileiro é tema de ciclo de debates da Fetracos-RS

Projeto que restringe veículos no centro de Porto Alegre pode colocar comércio em risco

Congresso mantém veto ao fim do fator previdenciário

Nota da Força Sindical sobre o pacote do governo enviado ao Congresso

Deputados gaúchos aprovam aumento do ICMS

Crise afeta mercado de emprego na Assistência Social e Formação Profissional

Rede de fast food é autuada por trabalho irregular de adolescentes

Dirigentes sindicais integram reunião da Aliança Global Walmart em Bogotá

Sindec Porto Alegre faz fiscalização no “Dia do Gaúcho”

Comitê Organizador do Fórum Social Mundial 2016 se reúne em Porto Alegre

Central recebe reunião do Brics Sindical Brasileiro

Entidades planejam greves e manifestações contra pacote do governo

Metalúrgicos de Gravataí buscam acordo com a Digicon por PPR e grade salarial

Rio-2016 anuncia contratação de 90 mil trabalhadores para Olimpíada

Em crise, indústria prevê fechamento de mais de 610 mil vagas neste ano

Sindicato cobra da Previdência a regularização do sistema para aposentadorias via 85/95

Mais notícias

Twitter

Jornais

Vídeos

8º Congresso da Força Sindical-RS

Confira os principais momentos do Congresso Estadual da Central

Outros vídeos

Campanhas






Quem somos

Sobre a Força Diretoria Atuação no Estado Metas Filiados

Secretarias

Juventude Meio ambiente Formação Sindical Saúde do trabalhador

Materias oficias

Álbum de fotos Vídeos Jornais Logotipos da Força Jingles

Publicações

Notícias Agenda Tweets Interativas Artigos

Comunicação

Fale conosco Informativo Canal RSS Como chegar Mapa do site

Campanhas

Fórum Social Mundial Faixa de Fronteira 2015 Bioma Pampa Posto de Saúde 24h Trabalho Decente
Força Sindical do Rio Grande do Sul
Cristovão Colombo, 203 - Porto Alegre
Rio Grande do Sul, Brasil
CEP 90560-003 - Fone: (51) 3228.0098
contato@fsindical-rs.org.br